Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Vítima de AVC, idosa se emociona ao entrar no mar em Santos após 2 anos; VÍDEO

Célia Ramos Cerqueira, de 79 anos, visitava o mar com frequência, até que o acidente afetou os movimentos dos braços e das pernas

Por: Daniel Gois  -  16/02/21  -  10:31

O passeio da aposentada Célia Ramos Cerqueira, de 79 anos, pela orla da praia de Santos, teve um gostinho especial neste domingo (14). Ela sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) em 2012, que deixou sequelas para sua movimentação. Por este motivo, ficou dois anos sem ter contato com o mar. Com auxílio do projeto Praia Acessível, esse tabu foi quebrado, fazendo a idosa se emocionar.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


“Sempre gostei do mar, desde pequena. Meus filhos sempre me levavam, mas depois do AVC ficou mais difícil, porque a areia é muito fofa e a cadeira de rodas não anda bem nela. Descobrimos o projeto no Canal 3. Foi muito legal. Fui de roupa e tudo, o pessoal foi gente fina demais. Me emociona tanto que meu coração bate mais forte. Foi ótimo, muita emoção. Chorei várias vezes”, recorda a aposentada.


Célia Cerqueira costuma passear pela orla em dias intercalados. A filha Alessandra Ramos Cerqueira Tedesco, de 47 anos, é uma das acompanhantes. Ambas moram no bairro do Gonzaga, em Santos. Segundo Alessandra, não apenas Célia, mas também familiares se emocionaram ao saberem que a idosa havia entrado no mar depois de tanto tempo.


“Minha mãe é muito querida por todos nós, e todos que conhecem sabem que ela é fascinada pelo mar. Minha irmã chorou, meus familiares se emocionaram. Ela falava que queria morar de frente pro mar. Foi uma emoção muito grande”, afirma Alessandra.


"Chorei várias vezes", recorda a aposentada Célia Cerqueira sobre visita ao mar após 2 anos   Foto: Arquivo pessoal/Alessandra Cerqueira

Antes do AVC, Célia enfrentou um aneurisma cerebral em 1988. Ela passou por cirurgia e não teve sequelas. O mesmo não aconteceu após 2012.


“Está cada vez mais difícil de sair. Com uma mão só, ela faz comida e é bem ativa em casa. Toma banho sozinha e ajudo a enxugar. Para sair de casa, depende só da gente. Ela caminha, mas não dobra os joelhos e não mexe os braços. No começo usava fralda. Se recuperou bem graças ao tratamento com fisioterapia. Porém, com as sequelas, não havia mais o que fazer. Ela não consegue dar um passo”, conta a filha.


O tour pelo mar durou cerca de trinta minutos. O momento foi compartilhado por Alessandra nas redes sociais e diretamente com familiares.


Praia Acessível


Com auxílio de cadeiras anfíbias, o projeto, criado pela prefeitura de Santos, permite que pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida possam ter acesso ao mar com mais facilidade.


A tenda do programa fica localizada ao lado do Canal 3, em frente à Avenida Washington Luiz. O serviço funciona gratuitamente, aos sábados e domingos, das 9h às 15h. As cadeiras anfíbias suportam pessoas com até 150 quilos.


Com auxílio de cadeira anfíbia, idosa vítima de AVC reencontra o mar após 2 anos
Com auxílio de cadeira anfíbia, idosa vítima de AVC reencontra o mar após 2 anos   Foto: Arquivo pessoal/Alessandra Cerqueira

Logo A Tribuna