Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Média móvel de mortes por coronavírus nos últimos 7 dias aumenta em 50% em Santos

Levantamento foi feito pelo economista Mario Esteves, com base em números divulgados pela própria prefeitura; confira

Por: Nathála de Alcantara  -  26/01/21  -  10:14
OMS se preocupa com a alta porcentagem de resultados positivos nos testes de Covid-19 no Brasi
OMS se preocupa com a alta porcentagem de resultados positivos nos testes de Covid-19 no Brasi   Foto: Matheus Tagé/AT

A média móvel de mortes por covid-19 nos últimos sete dias em Santos aumentou em 50% na comparação com a semana anterior (que terminou em 17 de janeiro). A média diária de mortos aumentou de 4,6 para 6,9 na Cidade, segundo levantamento feito pelo economista Mario Esteves, com base em números divulgados pela própria Prefeitura.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


"A semana encerrada em 24 de janeiro demonstrou certa estabilidade nos números, com exceção no número de óbitos em Santos. Na última quinta-feira, foram 25 mortes confirmadas, um número elevadíssimo. Será que é algum tipo de acumulação? Será que muitos óbitos antigos em análise foram confirmados de covid? Talvez".


>> Confira mais dados sobre a média móvel de casos em Santos


Segundo ele, até mesmo o numero de novos casos na cidade diminuiu, passando de 1.315 na semana retrasada para 1.1167 para a passada, o que dá uma queda de 11,25%.


No Brasil, houve um pequeno aumento na média móvel de óbitos, de 6,54%, passando de 964 para 1.027 mortes por dia. "Apesar de ser tecnicamente uma estabilidade, ficamos acima da casa de 1 mil óbitos diários, índice que era comum no final de julho e começo de agosto", explica Mario.


Já no Estado, foi registrada uma queda de 228 para 222 óbitos diários. A redução foi de 2,63%. Já na cidade de São Paulo, outra queda, mas de 9,38%, indo de uma mádia diária de 64 para uma de 58.


"É importante evidenciar que, apesar da estabilidade, os números estão em patamares altíssimos. Não tão altos como julho, mas infelizmente quase lá", explica o especialista.


Logo A Tribuna