EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

16 de Junho de 2019

Hospital dos Estivadores atrasa pagamento de prestadores

Sem repasse, secretário admite dificuldade

Sem repasse do Governo do Estado, a Prefeitura de Santos começa a enfrentar dificuldades para manter o funcionamento do Hospital dos Estivadores. Nesta quarta-feira (24), o secretário municipal da Saúde, Fábio Ferraz, admitiu que empresas que prestam serviço para a unidade não estão recebendo em dia.

A Secretaria de Estado da Saúde não dá prazo para a questão ser resolvida, o que pode fazer com que o atendimento à população seja reduzido.

“Estamos mantendo a folha de pagamento em dia, repassando esses valores para o (Instituto Social) Hospital Alemão Oswaldo Cruz, mas as pessoas jurídicas que prestam serviço já estão tendo prejuízos”, afirma Ferraz, se referindo, entre outros, às empresas que fornecem insumos ou fazem locação de equipamentos.

O secretário já havia afirmado à A Tribuna, em matéria publicada no dia 11 de abril, que o cenário era “complicado” e admitia a hipótese de diminuir o atendimento. “Isso é muito ruim para a Saúde da região, mas não vejo outra forma, se essa situação não se resolver. Já estamos tendo algumas dificuldades”.

Em janeiro, assim que tomou posse, o governador João Doria (PSDB) cancelou uma série de convênios com as cidades da região, que haviam sido assinados pelo ex-governador Márcio França (PSB). Entre eles, o que previa R$ 99,7 milhões, este ano, para o custeio mensal do Estivadores. Depois de um estudo no orçamento, no dia 18 de março, o secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann Ferreira, anunciou o repasse de R$ 54 milhões, em 12 parcelas de R$ 4,5 milhões, retroativas a janeiro.

Desde então, a Prefeitura vem tentando formalizar o convênio. Ferraz afirma que a versão final da proposta, validada pela Diretoria Regional de Saúde (DRS-4), foi colocada no sistema estadual no dia 9 de abril. “Desde então,estamos aguardando apenas a assinatura”, afirma ele.

Vistoria

Nesta quarta-feira (24), o deputado estadual Matheus Coimbra Martins de Aguiar, o Tenente Coimbra (PSL) e o vereador Geonísio Pereira Aguiar, o Boquinha (PSDB), depois de receberem denúncias de cancelamento de cirurgias e falta de material, vistoriaram o hospital.

“As pessoas que estavam lá elogiam o atendimento. Mas queremos que o atendimento continue a ser de excelência e, para isso, precisa ter repasse desse dinheiro, que é do Estado. Se é algum problema administrativo, o secretário estadual tem que vir a público e dizer o que acontece, mas se for picuinha política, não vou admitir isso”, queixa-se o vereador.

Já o deputado afirma que ouviu relatos de moradores e de profissionais do hospital de que até segunda-feira sete cirurgias já teriam sido canceladas. “Fiz um questionamento ao secretário. Esses trâmites burocráticos não podem comprometer o atendimento ao cidadão”, afirma. Até a última quarta (24) à tarde, ele não havia tido retorno do responsável pela pasta.