EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

20 de Novembro de 2019

Entrada de Santos passa por serviço de descontaminação de solo

Plano é transformar a área do antigo posto de combustíveis Marilu, na Nossa Senhora de Fátima com Martins Fontes, em uma base da Polícia Militar, Guada Municipal e CET

Com um custo superior a R$ 1,5 milhão, a Prefeitura de Santos contratou uma empresa especializada para investigação e remediação de área contaminada, localizada na esquina das Avenidas Nossa Senhora de Fátima e Martins Fontes. No endereço, recém-desapropriado pelo Poder Público, funcionou o Marilu, tradicional posto de combustível. Os planos são de instalar ali uma base da Polícia Militar, Guada Municipal e CET. 

O extrato do contrato foi publicado na edição de quinta-feira (17) do Diário Oficial de Santos. Conforme a publicação, a empresa Ambplus Soluções Ambientais terá 180 dias para fazer a limpeza da área possivelmente contaminada. Segundo a Prefeitura, a ação ficará concentrada “nas estruturas subterrâneas que abasteciam as bombas de combustíveis e que precisam ser removidas para a utilização da área”.

Uma pesquisa da Cetesb indica os postos de combustíveis como os maiores responsáveis pela contaminação do solo nas cidades. Isso ocorre por meio de vazamento de combustíveis e gases decorrente da má instalação dos tanques subterrâneos – muitos dos quais não têm proteção contra corrosão. 

Levantamento da ONG Terra Brasil Ambiental cita que as empresas vêm investindo em tanques mais seguros, visto que o custeio em melhores instalações é bem menor do que o gasto com reparações dos problemas ocasionados pela contaminação do solo e da água. 

“A Administração frisa que não há riscos à população do bairro. A contratação da empresa é justamente para a avaliação do local, que deve ocorrer nos próximos dias”, informa a Prefeitura, por meio de nota. 

Detalhes

Contudo, a Administração santista reconhece que devido às características do antigo comércio no local, é necessário “realizar o processo de descomissionamento (desativação de linha de produção ou de armazenamento de material com potencial contaminante) e encerramento do empreendimento junto à Cetesb”. 

Por essa razão, foi apresentada à Cetesb a lista dos procedimentos para que se investigue a área e depois possa ser utilizada. “Em tese, todo estabelecimento deste tipo é considerado fonte poluidora do solo e das águas, devendo ser monitorado”, continua o comunicado da Prefeitura. 

Entrada

As intervenções fazem parte do pacote de obras denominado Programa Nova Entrada de Santos.
A iniciativa tem por princípio a melhoria da mobilidade urbana, da segurança e da qualidade de vida.
O terreno em questão será utilizado também na implantação de bases da Polícia Militar (PM), da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da Guarda Civil Municipal (GCM). 
 

 

Tudo sobre: