EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Maio de 2019

Centro Paula Souza desiste de Etec na escola Acácio de Paula

“Reforma da escola custaria entre R$ 8,5 milhões e R$ 9 milhões e nós não temos como bancar isso",afirma o engenheiro e coordenador da unidade de infraestrutura do CPS

O Centro Paula Souza (CPS) não tem mais interesse em construir uma Escola Técnica Estadual (Etec) no prédio da escola municipal Acácio de Paula Leite Sampaio, na Vila Nova. Em audiência pública na Câmara dos Vereadores de Santos, o engenheiro e coordenador da unidade de infraestrutura do CPS, Hamilton Pacífico, anunciou a decisão do órgão ligado ao Governo do Estado.

“A reforma da escola custaria entre R$ 8,5 milhões e R$ 9 milhões e nós não temos como bancar isso. É triste, eu também gostaria que fosse uma Etec ali, mas sou apenas o porta-voz da decisão”, disse Hamilton.

A ideia do CPS é aproveitar espaços ociosos pertencentes ao Estado e também outros que estão sob responsabilidade do Município, a partir de parcerias. Porém, não detalhou quais seriam estes espaços. “Estamos estudando as melhores formas, mas não cabe a mim essa decisão”.

Ele deu exemplo da Etec Escolástica Rosa, que está abrigada num prédio novo, na Vila Mathias, e não mais no casarão pertencente à Santa Casa de Misericórdia de Santos, na Praia da Aparecida.

Segundo o representante do CPS, o aluguel do prédio novo da Escolástica custa R$ 165 mil por mês, sua manutenção é baixa e o contrato tem duração de 24 meses. “Mas certamente renovaremos”.

Susto

A vereadora santista Audrey Kleys (PP), que comandou a audiência pública, tomou um susto com a decisão anunciada por Hamilton, mas disse que irá lutar para reverter a situação.

“Nosso primeiro objetivo é lutar para que o Estado faça a Etec, já que ele é o dono do prédio nos últimos anos. Ao mesmo tempo, iremos cobrar da Prefeitura o porquê de ter demorado tanto para enviar os documentos necessários para validar o convênio e ter iniciado o processo de licitação das obras”.

Mobilização

O deputado estadual Kenny Mendes (PP) também esteve na audiência e explicou que, a partir da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), vai batalhar pela inclusão da reforma da escola Acácio de Paula Leite Sampaio no orçamento de 2020 do Estado.

“Para este ano, infelizmente, não há o que fazer. Mas, com certeza, iremos pleitear que esta reforma esteja nos planos de 2020”.

Resposta

A Prefeitura de Santos alegou, em nota, não ter recebido oficialmente nenhum documento com a manifestação do Centro Paula Souza (CPS) sobre a desistência do interesse no imóvel da escola Acácio de Paula Leite Sampaio. 

“A Administração Municipal se manifestará prontamente,caso seja confirmada a intenção de devolução”. Questionada pela Reportagem sobre entraves burocráticos na troca de papelada com o CPS, citados pela vereadora Audrey Kleys, a Prefeitura
diz que, “pelo fato de a escola ter sido projetada há mais de 50 anos, não possui nos arquivos documentos técnicos (projetos
e plantas) para averbação da edificação no registro de imóveis”. A gestão Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) admite que não conseguiu atender a essa “exigência burocrática da Procuradoria-Geral do Estado”, mas cumpriu as demais solicitações do Governo de São Paulo “com rapidez para a instalação da escola técnica”.