Atendimentos diários de gripe superam o período de pico da covid-19 na Baixada Santista, diz médico

Especialistas suspeitam que demanda seja provocada por nova cepa da Influenza, que já circula em São Paulo

Por: Bruno Almeida  -  18/12/21  -  09:59
Atualizado em 18/12/21 - 10:26
Sintomas de gripe levaram centenas ao pronto socorro
Sintomas de gripe levaram centenas ao pronto socorro   Foto: Divulgação

Um surto de gripe sobrecarrega a rede pública de saúde de Cubatão. A maneira abrupta com que a busca por atendimento aumentou faz a Prefeitura suspeitar de que a variante H3N2 já circula na cidade.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Na primeira semana deste mês, cerca de 350 adultos foram atendidos com sintomas respiratórios no Pronto-Socorro (PS) Central de Cubatão. Na última quinta-feira (16), o número de pacientes chegou a 392, o pico do mês até agora. Nesta sexta-feira (17), foram 264.


No PS Infantil, o número de atendimentos diários passou de 300 em três ocasiões nesta semana. O dia com mais pacientes foi na última quarta-feira (15), com 349 crianças na unidade.


"O número diário de atendimentos tem ultrapassado o pico da covid-19", afirma o médico Evaldo Stanislau, responsável pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do PS Central da Cidade e médico infectologista do Comitê Covid do Município.


Para ele, a nova variante já circula na cidade. "Nos testes realizados, 60% eram de Influenza A, provavelmente H3N2". A identificação de variantes é feita pelo Laboratório Adolfo Lutz, do Governo do Estado, a partir de análises aleatórias de amostras recolhidas de pacientes.


A preocupação da Administração é com adultos maiores que 60 anos, com doenças crônicas, gestantes, puérperas e, principalmente, crianças com menos de 5 anos. Estes grupos já teriam a saúde fragilizada e podem precisar de internação.


Para evitar a disseminação do vírus, a recepção do PS Central de Cubatão foi ampliada e incluiu a área externa. A entrada do PS passou a ocorrer apenas pela Avenida Nove de Abril.


As equipes técnicas sugerem que as famílias dos pacientes reduzam ao máximo o número de acompanhantes para evitar a superlotação dos locais de espera.


Santa Casa
A Santa Casa de Santos também notou aumento de pacientes com sintomas gripais no pronto-socorro. Segundo o coordenador das equipes médicas da Santa Casa de Santos, Philipe Saccab, há relação com outro tipo de vírus que está circulando na região, o que pode ser atribuído a uma cobertura vacinal inadequada.


"Atendíamos 100 pacientes por dia, normalmente. Na quinta, foram 222 atendimentos", diz Saccab. Segundo ele, não são casos graves e, de modo geral, não motivam internações.


Os sintomas incluem tosse, espirros, síndrome gripal, dores pelo corpo e febre.


Na Santa Casa, por mês, o PS pediátrico atendia em torno de 30 crianças com até 12 anos pela rede pública e 100 na particular. "Ambos dobraram. São seis plantonistas no hospital só para este público", diz Saccab. "Alguns pacientes, principalmente crianças muito pequenas e idosos, são os que preocupam mais. São eles que podem ter internação".


Para o médico, o número de crianças internadas deverá aumentar nas próximas semanas.


Vacinação
Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, São Paulo promoveu, neste ano, a campanha de vacinação contra a gripe (Influenza) a partir de 12 de abril e procurou conscientizar a população da importância de se imunizar. Vacinaram-se 13,1 milhões de pessoas.


A cobertura vacinal entre os grupos prioritários é de 55,5%, com 10,1 milhões de doses aplicadas, chegando a 100% em indígenas, 72,4% em puérperas, 68,1% em crianças, 65,4% em idosos, 64,9% em trabalhadores da saúde, 62,6% em gestantes e 44% em pessoas com comorbidades.


A partir de 12 de julho, conforme orientação do Ministério da Saúde e do Programa Nacional de Imunização (PNI), a campanha foi aberta para toda a população, e 3 milhões de pessoas fora dos grupos prioritários receberam doses.


Outras formas de prevenção de resfriados e gripes são lavar bem as mãos com água e sabão, uso de álcool gel para higienização, manter ambientes ventilados e evitar o contato com pessoas gripadas ou resfriadas.



Logo A Tribuna