Em término de mandato no Condesb, Pedro Gouvêa prega a união dos prefeitos

Chefe do Executivo de São Vicente deixa a presidência do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb) neste mês

Pedro Gouvêa (MDB) chega ao fim de seu mandato à frente do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb) neste mês. O órgão, que reúne os nove prefeitos da Baixada Santista e membros do Governo do Estado de São Paulo, tem como objetivo debater e encontrar soluções para os problemas metropolitanos que atingem a região.

O chefe do Executivo de São Vicente enfrentou uma gestão com "problemas de relacionamento". Alguns prefeitos apontaram que o emedebista teria furado a fila na ordem da presidência do Condesb, devido à ligação mais próxima com Márcio França (PSB), que havia assumido o cargo de governador.

Parte desejava que Luiz Maurício (PSDB), prefeito de Peruíbe, fosse escolhido para o cargo. No fim das contas, os votos dos representantes estaduais pesaram a favor de Gouvêa.

O próprio vicentino aponta essa questão como um dos fatores que dificultaram a condução do órgão, já que houve pouca participação dos prefeitos da Baixada Santista nas reuniões mensais. "Com isso, muitas das pautas e muitos dos desejos que tínhamos não foram concretizados", diz o prefeito de São Vicente.

Agora, ao término do mandato, Gouvêa pede a união dos representantes do Executivo de cada município para que a região volte a avançar e crescer.

Como principal conquista, o presidente do Condesb aponta a maior agilidade na liberação de recursos para os municípios. Além disso, ele ainda cita que buscou se reunir com o Governo do Estado para tratar dos convênios cancelados, mas que não obteve resposta. "Ele [João Doria] ainda não deu importância para a nossa região", dispara.

AT - Como o senhor avalia sua gestão à frente do Condesb?

Pedro Gouvêa - Foi um ano de muitos desafios e muitas dificuldades para todos os prefeitos, por conta da eleição que tivemos. Acredito que todos estavam envolvidos no contexto das eleições e, com isso, houve pouca participação dos chefes de executivos municipais nas reuniões. Com isso, muitas das pautas e muitos dos desejos que tínhamos não foram concretizados.

AT - Quais foram as principais dificuldades neste período?

Gouvêa - Como disse anteriormente, o contexto eleitoral em todo o país, com a escolha de presidente, governador e deputados estadual e federal, fez com que os prefeitos estivessem envolvidos com o processo e, assim, pouco participassem das reuniões realizadas no período.

AT - E os principais avanços?

Gouvêa - Os principais avanços foram as liberações financeiras, que, muitas vezes, eram feitas de forma lenta. Conseguimos dar agilidade ao processo, ajudando a quem tinha recursos a serem liberados.

AT - Um dos grandes projetos desenvolvidos pelo Condesb, junto à Agem e em parceria com o IPT, foi o estudo para solucionar a questão dos resíduos sólidos. Como o senhor avalia a evolução deste tema?

Gouvêa - Entendo que esse foi um grande avanço. Agora, essa conquista será ainda maior quando conseguirmos, como região, nos organizar e trazer soluções práticas, tirando os projetos do papel.

Pedro Gouvêa, prefeito de São Vicente (Foto: Nirley Sena/AT)

AT - Como presidente do Condesb, qual foi a atuação do senhor após o cancelamento de convênios estaduais em diversas áreas para cidades da Baixada Santista?

Gouvêa - A atuação junto ao Governo do Estado foi solicitar reunião, para que os prefeitos da região fossem ouvidos e pudessem discutir sobre todos os cancelamentos. Pedi essa reunião em caráter de urgência, mas não obtive uma resposta do governador. Ele ainda não deu importância para a nossa região, conforme é a nossa expectativa.

AT - Como presidente do Condesb e prefeito de São Vicente, o senhor já recebeu alguma sinalização do governo sobre quem deve ser o próximo diretor executivo da Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem)?

Gouvêa - Até o momento, não nos foi comunicada a mudança na diretoria da Agem.

AT - Geralmente, a eleição para a escolha do próximo presidente do Condesb é realizada na última terça-feira de fevereiro. Neste ano, a troca de comando seguirá o rito ou pode sofrer algum adiamento?

Gouvêa - A eleição será realizada na próxima semana. Está na pauta, e todos os prefeitos já foram convocados. Para que possamos promover o processo de forma tranquila.

AT - A eleição do senhor para chefiar o Condesb gerou algumas críticas de outros prefeitos pela forma como a situação foi conduzida. Havia uma indicação que Luiz Maurício, prefeito de Peruíbe, seria o sucessor de Alberto Mourão no cargo. Essa situação prejudicou os trabalhos do Condesb de alguma forma?

Gouvêa - O processo em que fui eleito passou. Estamos escolhendo um novo presidente e desejo a ele boa sorte. Vamos apoiar e torcer pelo novo presidente do Condesb. Eu continuarei trabalhando e acreditando no crescimento regional como um todo. Também defendo que temos de continuar unidos e, cada vez mais, trabalhando para fortalecer a região. Afinal, ainda teremos de lutar muito, por conta da indiferença do Governo do Estado para com a Baixada Santista.

AT - Qual pauta o senhor acredita que deva ser prioridade para a região neste ano?

Gouvêa - A pauta prioritária para este ano tem de ser o fortalecimento da região. Além disso, temos de continuar atuando para que ela tenha o devido respeito junto ao Governo do Estado.

AT - Qual legado que o senhor deixa para o próximo presidente do Condesb?

Gouvêa - O legado que deixo é o mesmo que herdei quando assumi o Condesb, que é o de sempre estar pronto para buscar o melhor para a Baixada Santista. Vou passar para o novo presidente a mensagem de que temos de continuar juntos e unidos, trabalhando com determinação e coragem pelo desenvolvimento da nossa região.

Tudo sobre: