EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Janeiro de 2020

Aumento no número de afogamentos na Baixada Santista preocupa

Só entre setembro e o último fim de semana, 38 pessoas morreram nas praias da região

Só entre setembro e o último fim de semana, 38 pessoas morreram vítimas de afogamento na Baixada Santista. No sábado e no domingo, nove ocorrências foram registradas: seis mortes e três vítimas desaparecidas. O Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar) alerta que são necessários cuidados ao entrar no mar.

Analisando desde janeiro, as mortes subiram 36,6% este ano em comparação com o mesmo período de 2018, com 82 vítimas fatais até ontem, diante de 60 no ano passado.

Em 2018 os bombeiros fizeram 1.361 salvamentos. Este ano foram 1.633 – uma alta de 20%. Ou seja, há mais vítimas salvas e, apesar disso, as mortes não pararam de subir.

O problema é que tem mais gente na água e o mesmo comportamento inadequado, como explica o major Ricardo Antoniazzi Pelliccioni, coordenador operacional do GBMar.

“Esse foi um ano com mais sol no fim de semana, feriado caindo na quinta-feira, a economia do País fazendo as pessoas ficarem pelas praias daqui, são vários motivos. A Tribuna mostrou no último final de semana as praias como num Réveillon”, explica ele, lembrando que este ano o calor chegou mais cedo.

Hoje as cidades da região têm 283 guarda-vidas do corpo de bombeiros nas praias. No Natal haverá reforço de mais 36 homens e o Governo Estadual contratará mais 388 que começam dia 1º de dezembro e vão até março. A prova deles é hoje. As prefeituras – que também costumam auxiliar no reforço – terão mais 215 contratados, totalizando 922 na região.

Perguntado se não seria o caso de a Baixada Santista ter seus guarda-vidas contratados mais cedo, o major explica que não é possível, ao menos até que se mudem algumas leis.

“Tem lei estadual que determina que a contratação de temporários só se repita a cada 200 dias. Se eu contratar mais cedo, tenho o fim o verão sem salva-vidas. Nos municípios é parecido. Cada um com um período diferente”, aponta. 

Por enquanto, o que é possível fazer para se proteger é respeitar o mar e as orientações. Pois, cada praia tem sua característica.

Dicas

“Não existe praia mais perigosa. Existe comportamento mais perigoso. Os horários piores são os que a maré está baixando, que é quando a corrente de retorno é mais forte. Mas, esses horários mudam todo dia”, explica o major.

Mesmo assim, tem maré que quando enche, é complicada, afirma Pelliccioni. “Em Praia Grande, por exemplo, tem praias com valas. Quando a maré está baixa a pessoa está num lugar que dá pé. De repente, não consegue mais voltar em segurança para o raso”, conta. “Não dá para decorar. Tem que respeitar. O apito do guarda-vidas indica que é preciso sair do fundo”, lembra.

Tudo sobre: