No clássico, Santos pagou o preço de primeiro tempo apático

Alvinegro mal chegou ao gol de Weverton nos primeiros 45 minutos e foi penalizado em falha de Vanderlei

Por: Bruno Gutierrez  -  04/11/18  -  01:11
  Foto: Ivan Storti/Santos FC

O Santos saiu derrotado no clássico para o Palmeiras, por 3 a 2, na Arena Palmeiras. O resultado, pensando no contexto geral do Campeonato Brasileiro, é colocado como previsível. Afinal, era um clássico, fora de casa, contra o líder do Campeonato Brasileiro. Mas, não era para ser assim...


Tanto não era que, no segundo tempo, o Peixe "venceu" por 2 a 1. E esteve melhor que o rival, na casa alheia, durante boa parte da segunda etapa. Até quando teve Diego Pituca expulso, ainda buscou ameaçar o gol de Weverton.


Mas, o Alvinegro pagou o preço de um primeiro tempo medonho. Quem assistiu apenas os primeiros 45 minutos de jogo teve a nítida impressão que iria acontecer uma goleada dos donos da casa. O time de Cuca foi nulo em campo. Apesar de ter a segunda melhor campanha do returno, não ameaçou o time rival.


O aproveitamento santista fora de casa - abaixo dos 40%, não serve como desculpa. Quando a equipe mostrou a qualidade que tem, jogou de igual para igual com o Palmeiras, e aproveitou o cansaço do rival, que veio de uma eliminação na Copa Libertadores da América, para correr atrás do prejuízo.


Porém, não era o dia. Vanderlei, pivô de especulação da última semana, falhou. Um dos pilares do time acabou cometendo um erro após cobrança de falta de Victor Luis. E o desvio em Derlis González não justifica a falha. O próprio camisa 1 deve ter consciência disso quando rever o lance.


Na reta final, não há tempo para lamentar. Na próxima rodada tem a Chapecoense pela frente. A primeira oportunidade de entrar no G-6 e na pré-Libertadores passou. Mas não será a última. Hora de aprender com os erros e seguir rumo ao objetivo definido por Cuca.


No mais: Quando Copete, que pouco atuou na temporada, entra e faz mais que Rodrygo, é porque existe algo errado com o jovem atacante. Está na hora de uma conversa mais séria com o garoto, que não tem sido nem sombra da estrela que foi antes da pausa da Copa do Mundo - e da venda ao Real Madrid.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna. As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.
Logo A Tribuna