Justiça decreta prisão de jovem que ostentava arma nas redes sociais

Conhecido como Klebinho, ele é suspeito de tentativa de homicídio contra dois policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG)

Por: Eduardo Velozo Fuccia  -  18/02/19  -  23:27
Klebinho postou vídeos em redes sociais portando pistola e um cigarro de maconha
Klebinho postou vídeos em redes sociais portando pistola e um cigarro de maconha   Foto: Reprodução

O jovem que apareceu em vídeo nas redes sociais portando uma pistola e um cigarro de maconha, no Morro do José Menino, em Santos, foi denunciado pelo Ministério Público (MP) como autor de tentativa de homicídio contra dois policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), e teve a prisão preventiva decretada pela Justiça.


Kleber Pereira da Silva, o Klebinho, de 21 anos, foi preso no dia 21 de janeiro, momentos após conceder entrevista exclusiva para A Tribuna On-Line. Ele alegou ser de “brinquedo” a arma de fogo que segurava na filmagem. Em seguida, enquanto estava a caminho do 7º Distrito Policial, onde apresentaria essa versão, foi capturado por uma equipe da DIG.


Naquela ocasião, Klebinho ignorava ter contra si mandado de prisão temporária pela dupla tentativa de homicídio, crime que também nega. Atrás das grades desde então, o rapaz teve, agora, a preventiva decretada, e a tendência é que continue na cadeia até o julgamento, ainda sem data definida.


Após ser capturado, Klebinho foi reconhecido pessoalmente por dois investigadores da DIG. Os policiais disseram que subiam o Morro do José Menino de viatura, por volta das 16h30 do dia 18 de agosto do ano passado, quando o rapaz sacou um revólver e atirou duas vezes na direção do veículo.


Klebinho foi reconhecido por policiais por conta de sua tatuagem no braço
Klebinho foi reconhecido por policiais por conta de sua tatuagem no braço   Foto: Carlos Nogueira/AT

A equipe da DIG disse que tentava localizar o autor de um roubo cometido na orla. Um dos policiais revidou disparando duas vezes. Ele e o colega escaparam ilesos, bem como Klebinho, que correu pela Rua Dr. Carlos Alberto Curado rumo à rampa de saltos de asa-delta e paraglider. Na fuga, o criminoso ainda pulou um muro e se embrenhou na mata.


Para o promotor Fernando Reverendo Vidal Akaoui, a tentativa de homicídio foi duplamente qualificada. Segundo ele, o crime “foi cometido com o emprego de recurso que dificultou a defesa dos ofendidos, que foram tolhidos [acuados] de surpresa com relação aos disparos, bem como contra policial civil no exercício regular de suas funções”.


Ao pedir a preventiva de Klebinho, Akaoui justificou que “é certo que não há garantias de que, em liberdade, o acusado deixe de praticar atos assemelhados, no que a garantia da ordem pública resta indubitavelmente ameaçada”. O advogado Francisco Martori defende o rapaz e estuda impetrar habeas corpus, “por absoluta falta de materialidade”.


Logo A Tribuna