EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

29 de Março de 2020

Coronavírus faz Polícia Civil restringir atendimento ao público no estado

Delegacias e distritos policiais apresentaram queda no número de boletins de ocorrência elaborados presencialmente

Delegacias e distritos policiais do estado apresentam sensível queda no número de boletins de ocorrência elaborados presencialmente desde a decretação da pandemia do novo coronavírus. As pessoas não querem se expor aos riscos de infecção, e a Polícia Civil restringiu o atendimento ao público, conforme o crime e/ou situação.

A Portaria nº 16, de 17 de março de 2020, da Delegacia Geral de Polícia (DGP), estabeleceu “rotina emergencial” nas unidades policiais para atender as seguintes ocorrências: morte e desaparecimento de pessoas; violência doméstica ou praticada contra crianças e adolescentes; estupro, sequestro e cárcere privado; roubo e extorsão; flagrantes, englobando os casos de ato infracional e delitos de menor potencial ofensivo.

Afixados nas portas das unidades, cartazes assinados pelos respectivos delegados titulares orientam o público a registrar boletim de ocorrência eletrônico pelo site http://delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br para as hipóteses que não são mencionadas na Portaria 16.

Os cartazes também reproduzem recomendações da DGP para o público aguardar o atendimento: “havendo acúmulo de pessoas no plantão em um mesmo período, deverão ser as mesmas devidamente orientadas a aguardarem o chamamento sequencial em local externo à unidade ou pátio central existente, visando manter o distanciamento necessário para garantir a segurança de todos”.

A Tribuna percorreu os distritos policiais de Santos pela manhã de segunda-feira (23) e constatou que, na maioria deles, não havia a presença de público. Em número reduzido, funcionários realizavam tarefas administrativas e davam andamento aos inquéritos, mas com as limitações impostas pelo período. As intimações estão suspensas.

O registro presencial de ocorrências no estado deve cair ainda mais a partir desta terça-feira (24), quando entra em vigor decreto do governador João Doria (PSDB) que instituiu quarentena até 7 de abril, podendo ser prorrogada. Os serviços de segurança não estão abrangidos pelo decreto, mas restrições a outras atividades refletirão no movimento das delegacias, sem representar necessariamente queda da criminalidade.

Portaria nº 16, da Delegacia Geral de Polícia, estabeleceu 'rotina emergencial' nas unidades policiais para atender determinadas ocorrências (Foto: Divulgação)
Tudo sobre: