CLUBE IMPRESSO ACERVO COVID
Operadora do Campo de Bacalhau, na Bacia de Santos, terá base no Rio de Janeiro
Municípios do litoral paulista esperavam receber a base e, consequentemente, atrair investimentos e geração de empregos
Por: Matheus Müller  -  08/05/21  -  10:41
Atualizado em 08/05/21 - 10:50
Operadora do Campo de Bacalhau, na Bacia de Santos, terá base no Rio de Janeiro   Foto: Divulgação/Prefeitura do Rio de Janeiro

A empresa norueguesa Equinor Brasil Energia Ltda, que tem 76% de participação no bloco BM-S-8 da Bacia de Santos, no pré-sal, anunciou investimento de US$ 380 milhões (R$ 2 bilhões) na perfuração de poços no Campo de Bacalhau para a extração de óleo. À Reportagem, a operadora afirmou ter concedido os serviços de base de fornecimento do campo para a Triunfo Logística, localizada no porto do Rio de Janeiro.


A informação esfria expectativa de municípios do litoral paulista que esperavam receber tal base e, consequentemente, um incremento na economia, com geração de empregos e captação de impostos. O contrato com a Triunfo Logística tem validade de quatro anos.


As cidades da costa paulista, no entanto, ainda podem ter esperança de conseguir atrair investimentos da empresa. Em nota, a Equinor afirma que “continua seu diálogo com toda a indústria para uma potencial base de apoio para a fase de operações”.


Equinor anunciou investimentos para a perfuração de seis poços no Campo de Bacalhau   Foto: Reprodução

A programação da operadora offshore (em alto mar) é de começar as perfurações no primeiro trimestre de 2022 e realizar a primeira produção de óleo em 2014. Este será o primeiro projeto na área do pré-sal do Brasil a ser desenvolvido por uma operadora internacional.


O campo foi descoberto em 2012 e adquirido da Petrobras em 2016. Com 40% da área, a operadora Equinor  tem como parceiros em Bacalhau: ExxonMobil, com 40%; Petrogal Brasil, com 20%, e Pré-sal Petróleo SA (PPSA, Órgão de Governo Não Investidor) 


Em julho de 2016, em leilão, a Equinor adquiriu a participação de 66% da Petrobras no BM-S-8 por US$ 2,5 bilhões. Depois, vendeu para a ExxonMobil metade dessa parcela por US$ 1,3 bilhão e, em julho de 2017, acertou a venda de 3,5% e 3%, respectivamente, da parcela de 10% que comprou da Enauta na área para a ExxonMobil e Petrogal, por mais US$ 250 milhões.


Perfuração

A operadora concedeu à Seadrill Management Ltd um contrato para perfuração de seis poços no campo até o início da produção em 2024. O investimento de US$ 380 milhões, no entanto, está condicionado a uma decisão final de investimento de Bacalhau, feita pelos parceiros.


Caso aprovado, o acordo terá validade de quatro anos e poderá ser ampliado. Existem quatro opções de extensão de um ano cada.


O campo de Bacalhau tem profundidade de cerca de 2 mil metros e é o campo de alta pressão mais profundo do Equinor. Para o serviço será utilizado o West Saturn, um navio-sonda de sétima geração, adaptado para profundidades de água de até 3.600 metros.


“(O navio é) equipado com recursos como uma torre dupla de perfuração e controle automatizado de perfuração, e esperamos continuar esta colaboração com a Seadrill no Brasil, onde estamos familiarizados com o navio-sonda de operações anteriores”, diz Erik Kirkemo, vice-presidente sênior de perfuração e poço na Equinor.