Reino Unido reconhecerá vacinas aprovadas na lista da OMS

Imunizantes da Sinovac, Sinopharm Beijing e Covaxin serão aceitos para viajantes internacionais

Por: Estadão Conteúdo  -  09/11/21  -  00:00
  Nesta segunda-feira (8), o Reino Unido registrou 57 mortes e 32.322 casos de covid-19
Nesta segunda-feira (8), o Reino Unido registrou 57 mortes e 32.322 casos de covid-19   Foto: Reprodução/Unsplash

O Reino Unido anunciou nesta segunda-feira (8), que reconhecerá, a partir do dia 22 de novembro, as vacinas aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Como resultado, os imunizantes da Sinovac, Sinopharm Beijing e Covaxin serão adicionados a listas de vacinas aceitas para viajantes internacionais.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Segundo informações governamentais, com o anúncio, os passageiros que estão completamente vacinados - de um dos mais de 135 países aprovados - não precisam fazer o teste para covid-19 antes da viagem, nem o teste do oitavo dia ou quarentena. No entanto, os viajantes precisarão pagar um teste antes do final do segundo dia, após a chegada.


O Reino Unido reconhecerá as seguintes vacinas: Pfizer BioNTech, Oxford AstraZeneca (incluindo Covishield), Moderna, Janssen (J&J) e a lista com vacinas aprovadas da OMS; incluindo Sinovac, Sinopharm Beijing e Covaxin.


De acordo com o secretário de Transporte do Reino Unido, Grant Shapps, as medidas marcam um reinício das viagens internacionais "Enquanto continuamos a nos recuperar da pandemia e a expandir nosso reconhecimento das vacinas, os anúncios de hoje marcam o próximo passo em nosso reinício de viagens internacionais."


Mas Shapps alertou que o governo pode reavaliar esse reinício de viagens se for preciso."Não hesitaremos em tomar medidas adicionando países à lista vermelha, se necessário", acrescentou


Nesta segunda-feira (8), o Reino Unido registrou 57 mortes e 32.322 casos de covid-19, de acordo com os dados mais recentes do painel do governo. Isso representa uma queda nas infecções de 16,6% na semana passada, enquanto as mortes aumentaram 8,2%.


Logo A Tribuna
Newsletter