Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Acordo de R$ 37 bi com Vale 'vai pagar dano socioeconômico e ambiental', diz Zema

Ao todo, foram contabilizadas 272 mortes pelo rompimento da barragem de rejeitos da mineração da empresa em Brumadinho, que completou dois anos no último dia 25 de janeiro

Por: Do Estadão Conteúdo  -  05/02/21  -  14:00
Equipes do Corpo de Bombeiros seguem os trabalhos de busca por vítimas e desaparecidos em Brumadinho
Equipes do Corpo de Bombeiros seguem os trabalhos de busca por vítimas e desaparecidos em Brumadinho   Foto: Agência Reuters

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou que o valor acordado, em R$ 37 bilhões, entre o Executivo estadual e a Vale pelo desastre de Brumadinho em 2019 é "uma vitória para o povo mineiro". Em entrevista à rádio CBN nesta sexta-feira, 5, Zema ressaltou que a quantia servirá para "pagar o dano socioeconômico e socioambiental a Minas" e destacou que a quantia "não tem nada a ver com vidas".


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Segundo disse, "qualquer familiar das vítimas já moveu, ou está movendo ou poderá mover uma ação contra a empresa, porque não estão incluídas no acordo questões sobre indenizações". Entre as questões que ficaram de fora deste acordo, o governador citou as indenizações por danos causados a fetos e recém-nascidos pela contaminação por rejeitos da mineração liberados no acidente.


Ao todo, foram contabilizadas 272 mortes pelo rompimento da barragem de rejeitos da mineração da empresa em Brumadinho, que completou dois anos no último dia 25 de janeiro.


Conforme disse Zema, os recursos do acordo serão "aplicados em prol do povo mineiro". "Vamos melhorar os hospitais, as escolas e, consequentemente, a educação. Vamos equipar melhor a polícia, fazer a reparação ambiental e melhorar a infraestrutura do Estado que está em cacos", afirmou.


De acordo com Zema, o valor será depositado em um fundo específico para a aplicação em investimentos. "Nada vem para o governo, o que seria um grande erro, porque nós temos hoje aqui um governo quebrado e se esse dinheiro viesse para os cofres públicos, não teríamos condição de fazer investimento", afirmou o governador.


Logo A Tribuna