Santos chega com time 'cascudo' e cheio de fé para a decisão da Libertadores

Em entrevista coletiva, técnico Cuca e o capitão Alison demonstraram confiança extrema

Por: Alexandre Lopes  -  29/01/21  -  19:03
Cuca e Alison conversaram com jornalistas na tarde desta sexta-feira no Maracanã
Cuca e Alison conversaram com jornalistas na tarde desta sexta-feira no Maracanã   Foto: Ivan Storti/Santos FC

O técnico Cuca e o capitão Alison participaram da última entrevista coletiva antes da grande decisão da Libertadores da América, programada para sábado (30), a partir das 17h, contra o Palmeiras, no Maracanã. Durante o papo com os jornalistas, que ocorreu pouco antes do reconhecimento do gramado por parte do elenco do Peixe, ambos demonstraram confiança extrema de que a equipe da Vila Belmiro possa sair com o tetracampeonato da mais importante competição continental.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Segundo Cuca, o Santos teve uma trajetória digna de uma equipe campeã durante toda a competição, enfrentando adversários que deram condições ao Peixe de chegar à decisão contra uma das equipes mais badaladas do País em condição de igualdade. "A competição nos ensinou a sermos cascudos. A palavra medo não existe. Você estando envolvido nesse processo de decisão, pode até ter um cuidado maior. Esses meninos criaram um lastro forte e uma confiança grande. Esse jogo não é em casa nem fora. É uma decisão diferente, de um jogo só", disse.


Já o volante Alison, que se recuperou recentemente da contaminação pela covid-19, também se mostrou bastante confiante para a decisão. "A realidade é que a pressão sempre existe por estarmos jogando em uma equipe grande, ou melhor, uma equipe gigante. Fizemos excelentes jogos. Nossa caminhada foi difícil até aqui. Enfrentamos adversários difíceis, times de tradição, acostumados a jogar Libertadores. Esperamos concluir a nossa trajetória", afirmou o volante alvinegro.


O capitão também fez uma análise sobre sua própria importância para o elenco. "Eu sempre procuro passar para o pessoal o quanto somos privilegiados de termos oportunidades de ser jogador de futebol. Sabemos o quanto é difícil entrar em um clube grande e se firmar. Então, hoje, olhando para essa final, a resposta é que vale a pena acreditar em um sonho. Por mais difícil que seja. Sabemos da dificuldade e temos que dar valor", completou.


O técnico Cuca, conhecido também por ser um dos personagens mais religiosos do futebol brasileiro, também falou um pouco sobre essa 'fama' de ser supersticioso. "Isso é a minha fé. Não é superstição. Eu tenho a camisa da Nossa Senhora, em quem acredito muito. Hoje, já fui rezar, fui lá no santuário agradecer a ela por tudo o que tem feito por mim e por esses meninos", disse. Vale lembrar que, em vários dos últimos jogos, Cuca utilizou a mesma camisa estampada com a imagem da Padroeira do Brasil.


Sobre a rivalidade crescente entre Santos e Palmeiras nos últimos anos, equipes que disputaram vários jogos importantes, inclusive decisões de campeonatos, Alison foi taxativo. "Chegam as duas equipes que foram melhores dentro dessa competição. O Palmeiras chegou com seus méritos. Assim como a gente. É um jogo equilibrado, final de campeonato, dois clubes grandes, clássico paulista. Nos últimos anos, Santos e Palmeiras decidiram finais de campeonatos emocionantes. Amanhã não vai ser diferente. Um jogo muito equilibrado, que vai ser decidido nos detalhes. Quem errar menos vai sair com o título", finaliza.


Treinador e capitão do Peixe demonstraram bastante confiança durante entrevista
Treinador e capitão do Peixe demonstraram bastante confiança durante entrevista   Foto: Ivan Storti/Santos FC

O jogo


Santos e Palmeiras se enfrentam neste sábado (30), às 17h, no Maracanã. A decisão da competição continental reúne as duas equipes com as melhores campanhas na fase de grupos e que superaram adversários históricos, como Boca Juniors, no caso do Santos, e River Plate, no caso do Palmeiras, ambos nas semifinais do torneio.


O Santos tenta o tetracampeonato, que o deixaria como o time brasileiro mais vezes campeão da Libertadores. O Palmeiras joga em busca do bi.


Logo A Tribuna