EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

4 de Junho de 2020

Ídolo da Portuguesa Santista, Carlos Alberto relembra doença rara que o afastou dos gramados

Meia conta que teve dificuldade de encarar a realidade, mas conseguiu dar a volta por cima e voltar a jogar

Entre idas e vindas de jogadores no elenco da Portuguesa Santista nos últimos anos, alguns conseguem deixar seus nomes marcados na história do clube. Um deles é o meio-campista Carlos Alberto, atualmente no Remo. Amado pela torcida rubro-verde, ele, no ano passado, já no clube paraense, quase viu sua carreira chegar ao fim precocemente devido a uma doença.

Em julho de 2019, Carlos Alberto se sentiu mal durante um treino no Remo e teve que ser hospitalizado. Na época, ele estava emprestado pela Briosa ao time do Norte, que pediu, pelas redes sociais, que seus torcedores doassem sangue ao jogador, necessitado de transfusões de plaquetas.

"Tive anemia aplásica, que é uma doença rara no sangue. No começo foi difícil de encarar a realidade, mas, depois, a ficha caiu e eu tive que me tratar para poder ficar curado e voltar a fazer o que mais amo, que é jogar futebol", relembrou o meia, artilheiro da Portuguesa Santista na campanha no Campeonato Paulista Série A3 que garantiu o acesso divisional em 2018.

Após a disputa da A2 de 2019, em abril, Carlos Alberto foi cedido ao Remo, assim como o volante Tufa. Segundo o meia, ele vivia seu melhor momento na equipe de Belém quando a doença surgiu, prejudicando "muito" sua carreira, como ele mesmo diz.

"Praticamente durante cinco meses, eu não sabia se iria voltar a jogar. Os médicos só me pediam paciência para que fizesse o tratamento corretamente", recorda.

Ao final de seu vínculo por empréstimo, ele foi contratado pelo Remo. Este ano, ele estava treinando de olho no retorno definitivo aos gramados, até que a pandemia adiou seu plano de resgatar seu futebol e conseguir uma boa sequência dentro de campo.

Agora longe da Briosa, ele não esquece as amizades que fez dentro do clube e não deixa de desejar que a equipe voe alto. "Fui muito feliz no meu período lá, principalmente por fazer parte dos dois últimos acessos. Só desejo coisas boas ao clube e para essa torcida apaixonada que me abriram as portas nos momentos em que eu mais precisei".

Tudo sobre: