'Somos apenas um único povo, uma nação', diz Lula em discurso por paz e união

Lula agradeceu os eleitores que votaram neste domingo, inclusive os apoiadores do seu adversário

Por: Estadão Conteúdo  -  30/10/22  -  21:59
Lula também falou em restabelecer uma relação harmoniosa com os demais poderes
Lula também falou em restabelecer uma relação harmoniosa com os demais poderes   Foto: Estadão Conteúdo

Em seu primeiro pronunciamento como presidente eleito, o petista Luiz Inácio Lula da Silva prometeu trabalhar pela harmonia da sociedade e entre os Poderes, respeitar a Constituição, e governar para todos.

Lula agradeceu os eleitores que votaram neste domingo, inclusive os apoiadores do seu adversário, e disse considerar que viveu "um processo de ressurreição na política brasileira". Lula também falou em restabelecer uma relação harmoniosa com os demais poderes e respeitar a Constituição. "Ninguém está acima dela (Constituição)", disse Lula.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


"A partir de 1º de janeiro de 2023 vou governar para 215 milhões de brasileiros e brasileiras e não apenas para aqueles que votaram em mim. Não existem dois brasis, somos apenas um único povo, uma nação.

É hora de reunir de novo as famílias, refazer os laços de amizade rompidos pela propagação criminosa do ódio.A ninguém interessa viver num país em permanente estado de guerra", afirmou o presidente eleito em seu primeiro discurso. Lula disputou com Jair Bolsonaro a eleição mais acirrada da história.


Lula também falou que "o verde amarelo e a bandeira do Brasil não pertencem a ninguém", que não o povo brasileiro, em referência ao uso dos símbolos nacionais pela campanha e apoiadores de Bolsonaro. Ele também disse que irá "retomar o diálogo" com o Legislativo e Judiciário.


O petista falou que irá "trabalhar sem descanso por um Brasil que a verdade vença a mentira e o amor seja maior que o ódio" e inseriu a vitória no contexto internacional. "O novo Brasil que iremos construir não interessa apenas ao povo brasileiro, mas a todas as pessoas que trabalham pela paz, a solidariedade e a fraternidade em qualquer parte do mundo", disse.

"Convido a cada brasileiro, independentemente de quem votou nessa eleição, vamos juntos pelo Brasil. Sei a magnitude da missão que a história me revelou e sei que não poderei cumpri-la sozinho", disse Lula.


"Me considero um cidadão que teve um processo de ressurreição na política brasileira. Tentaram me enterrar vivo e eu estou aqui. Estou aqui para governar este país numa situação muito difícil mas tenho fé em Deus que com a ajuda do povo a gente possa encontrar uma saída para esse país voltar a viver democraticamente", disse Lula sobre ele mesmo. Nos últimos quatro anos, o petista foi da ruína à glória política.


Segundo ele, a vitória "não é a vitória minha ou do PT, é a vitória de um imenso movimento democrático", afirmou o presidente eleito, mais um aceno ao centro. Lula e seu vice, Geraldo Alckmin (PSB) chegaram ao auditório para pronunciamento acompanhados apenas por mulheres. Estavam ao lado dos dois as respectivas esposas, Janja e Lu Alckmin, as senadoras Simone Tebet (MDB) e Eliziane Gama (Cidadania-MA), e a ex-presidente Dilma Rousseff.

Simone e Eliziane foram as únicas mencionadas nominalmente no início do pronunciamento. As duas ajudaram a desfazer resistências entre indecisos e, no caso da senadora do Maranhão, entre evangélicos. O petista agradeceu nominalmente também o vice, Geraldo Alckmin.


Economia e agenda climática
Lula também falou sobre economia e disse que a "roda da economia vai voltar a girar". O petista prometeu "enfrentar sem tréguas o racismo e a discriminação". O "compromisso mais urgente", disse Lula, é acabar com a fome.

Ele também falou que irá trabalhar para recuperar a credibilidade e estimular a entrada de investimentos estrangeiros no País. "Hoje estamos dizendo ao mundo que o Brasil está de volta, que o Brasil é grande demais para ser relegado ao triste papel de pária do mundo", disse.


O petista prometeu "reindustrializar" o Brasil, investir na economia verde e digital, exportar inteligência e conhecimento e lutar por uma nova governança global com tentativa de reforma do Conselho de Segurança na ONU, com mais países.


O petista também falou sobre a agenda climática, uma preocupação entre líderes estrangeiros. Disse que irá lutar pelo desmatamento zero da Amazônia. "O Brasil e o Planeta precisam de uma Amazônia viva". Ele prometeu combater toda atividade ilegal e promover o desenvolvimento sustentável.


Logo A Tribuna
Newsletter