Chegou o dia: brasileiros decidem o futuro nas urnas neste domingo

Votação terá início às 8 horas e vai definir quem comandará o País nos próximos quatro anos

Por: Sandro Thadeu  -  30/10/22  -  06:18
Atualizado em 30/10/22 - 07:35
Lula e Bolsonaro definem a preferência do eleitorado: um deles comandará o Brasil nos próximos quatro anos
Lula e Bolsonaro definem a preferência do eleitorado: um deles comandará o Brasil nos próximos quatro anos   Foto: Rovena Rosa/Antonio Cruz/Agência Brasil

O futuro do Brasil para os próximos quatro anos começará a ser decidido neste domingo (30), quando 156.454.01 de brasileiros aptos a ir às urnas terão a oportunidade de decidir se querem a reeleição de Jair Bolsonaro (PL) para a Presidência da República ou o retorno de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que comandou o País entre 2003 e 2010.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Na Baixada Santista, 1.433.733 cidadãos podem exercer o direito ao voto estabelecido pela Constituição Federal e obrigatório àqueles entre 18 e 69 anos e facultativo para maiores de 70 anos e adolescentes de 16 e 17 anos.


As seções eleitorais permanecerão abertas das 8h às 17h. Para cumprir esse dever cívico, basta apresentar um documento com foto aos mesários.


A apuração dos sufrágios começará a partir das 17h, assim como a divulgação dos resultados parciais. A expectativa é que os vencedores desse pleito e dos 12 estados onde há disputa de segundo turno, como São Paulo, sejam conhecidos por volta das 22h de hoje.


Confira aqui o seu local de votação para as Eleições 2022


Para efeitos de comparação, em 2018, Bolsonaro estava matematicamente eleito às 19h18, quando 94,44% das urnas estavam apuradas em território nacional. Em 2014, a vitória de Dilma Rousseff (PT) sobre Aécio Neves (PSDB) foi confirmada às 20h32.


Curiosidades

As últimas pesquisas de intenção de voto para o Palácio do Planalto demonstram que a disputa será bastante acirrada. Além disso, o pleito de 2022 já entrou para a história por uma série de fatores.


O primeiro deles é o fato de ser a primeira vez que o atual chefe do Executivo federal concorre à reeleição contra um ex-presidente da República.


Bolsonaro também entrará para a história hoje de formas diferentes, dependendo da vontade dos cidadãos. Ele será o primeiro postulante ao cargo mais importante do País a conseguir uma virada no segundo turno ou o primeiro presidente a tentar uma reeleição e não obter êxito, desde que esse mecanismo passou a ser permitido, em 1998.


Desde então, Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 1998; Lula, em 2006; e Dilma Rousseff (PT), em 2014, conquistaram o segundo mandato. Michel Temer (MDB) optou em não participar do pleito, em 2018.


Logo A Tribuna
Newsletter