Professor cria refúgio para vida silvestre no alto da Ilha Porchat

Local virou ponto de atração para pássaros variados, lagartos e saguís

Por: Arminda Augusto  -  07/03/21  -  16:00
Atualizado em 19/04/21 - 14:47
   A ex-aluna e professora Camila Martínez se destaca com fotos incríveis
A ex-aluna e professora Camila Martínez se destaca com fotos incríveis   Foto: Camila Martínez

As fotos que ilustram esta matéria poderiam estar em uma reportagem sobre as espécies encontradas na Mata Atlântica ou sobre os bichos de algum zoológico Brasil afora, mas o tema aqui é outro: saguís, sanhaços, lagartos, sabiás, maritacas, papagaios, tico-tico, pica-pau e saíras encontraram no alto da Ilha Porchat, em São Vicente, um bom motivo para voltar ao convívio urbano.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Ali no topo da ilha, onde Oscar Niemeyer deixou sua assinatura no Memorial dos 500 Anos, a atitude de um professor vem se tornando um novo atrativo turístico e a prova de que o ambiente urbano pode se tornar atraente para todo tipo de fauna, desde que em convívio harmonioso com o homem.


  Marco projeta bandejas de madeira para colocar as frutas.
Marco projeta bandejas de madeira para colocar as frutas.   Foto: Divulgação/Marco Antônio de Moraes

Tudo começou há dois anos, quando Marco Antônio Teixeira de Moraes começou a passear com seus cachorros até o alto da ilha. Ali conheceu Octaviano Monteiro Martins, servidor da Prefeitura encarregado de manter limpo o local, que serve de mirante para observar toda extensão da orla. Vez por outra, Octaviano deixava umas bananas na mureta do mirante, e começou a perceber a presença de saguís.


Inventivo e habilidoso, Marco Antônio teve a ideia de fabricar, ele mesmo, umas bandejas de madeira e dispor mais frutas para ver no que dava. Deu certo. Aos poucos, pássaros de diversas espécies começaram a aparecer onde nem mais pardais se empoleiravam. Dia após dia, Marco Antônio foi incrementando o cardápio, animado com a chegada de cores novas às árvores e a algazarra dos pássaros em busca de alimento.


Às bananas se juntaram mamão, caqui, laranja, manga e tudo que ele encontra de mais barato na xepa, o momento da feira livre onde os preços são mais baixos.


O ponto alto das refeições é quando aparecem os saguís, que se esparramam nas bandejas. “Percebi que são uma família, e que vem crescendo ano após ano”, diz. Observando seus hábitos, reparou que no frio eles se mantinham mais unidos e chegar às bandejas era mais custoso.


Assim, construiu uma casa de madeira no alto de uma árvore, para que ficassem mais protegidos e não abandonassem a frequência ao local. Íntimo dos bichos, deu nome aos filhotes que foram nascendo: Pirulito, Bolacha, Biscoito, Chico, Drica.


  Diversas espécies de pássaros começaram a aparecer no local
Diversas espécies de pássaros começaram a aparecer no local   Foto: Divulgação/Marco Antônio de Moraes

Ajuda


Marco Antônio mora a poucos metros dali, então, levar as frutas não dá trabalho, segundo ele. Mas o compromisso tem custo, que chega a R$ 300,00 por mês. Ainda assim, não pensa em abandonar essa conquista, mas faz um apelo. “Quem quiser ajudar com frutas pode trazê-las e deixar aqui. Sempre tem um funcionário da Prefeitura que pode guardá-las para a refeição do dia seguinte”.


A agenda do professor com os animais começa cedo. Ele chega por volta das 7h30, recolhe as bandejas para a limpeza com água e escovão e só então dispõe as frutas frescas e meticulosamente fatiadas para a clientela. Uma bandeja fica mais distante, esticada por um sistema de roldanas que ele mesmo criou. A outra fica mais próxima da mureta, ao alcance de quem quiser deixar ali sua contribuição. “Mas não pode ser qualquer alimento. Precisa ser fruta”, avisa.


  Além dos pássados e saguís, lagartos também costumam aparecer pelo local.
Além dos pássados e saguís, lagartos também costumam aparecer pelo local.   Foto: Divulgação/Marco Antônio de Moraes

Marco Antônio também é engenheiro e publicitário, mas diz ter encontrado seu propósito de vida na sala de aula, como professor de Matemática para alunos da rede municipal . “É onde me realizo, onde me sinto bem, onde sinto que passo o conhecimento que adquiri durante a vida”.


Sobre o ritual com os bichos, sua filosofia é cristalina: “Não sou eu que faço um favor para eles. São eles que me ensinam todos os dias”.


  O publicitário coloca diversas frutas no local.
O publicitário coloca diversas frutas no local.   Foto: Divulgação/Marco Antônio de Moraes

Logo A Tribuna