Santa Casa de Santos inaugura Complexo de Radioterapia

Unidade, na Avenida Francisco Manoel, tem acelerador linear de alta precisão inédito na Baixada Santista

Por: Maurício Martins  -  26/11/21  -  21:16
Acelerador linear comprado é inédito na região e de extrema exatidão
Acelerador linear comprado é inédito na região e de extrema exatidão   Foto: Matheus Tagé/AT

Um equipamento de alta precisão contra o câncer, inédito na Baixada Santista, que vai permitir que muitos pacientes – de convênios ou atendidos pela rede pública - deixem de ir para São Paulo em busca melhor qualidade no tratamento. É o que promete o novo Complexo de Radioterapia da Santa Casa de Santos, inaugurado na noite desta sexta-feira (26) no hospital, com entrada pela Avenida Francisco Manoel, no Jabaquara.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


A unidade contará com o acelerador linear Halcyon, é um dos mais modernos do mercado mundial para radioterapia. O equipamento permite aplicação da radiação no tumor, sem prejudicar as células saudáveis ao redor, preservando tecidos sadios, e o mais importante, com rapidez. O aparelho, importado, usa um recurso tecnológico radioterapia guiada por imagem


“O tratamento oncológico vem evoluindo com o objetivo de só atacar a área efetivamente necessária, minimizando efeitos colaterais e toxidade desnecessária. Esse equipamento, diferente de outros, propicia que a gente identifique a área a ser tratada e entregue a dose de radiação na quantidade efetiva, com uma margem mínima em volta do tumor, nos tecidos normais”, explica o médico radio-oncologista Paulo Nascimento, responsável técnico do setor.


A intenção é que o complexo chegue a duas mil sessões de radioterapia por mês. Com essa inauguração, a Santa Casa deixa de trabalhar com o antigo equipamento que oferecia o serviço. O primeiro paciente marcado será atendido na segunda-feira (29).


Investimentos
A área do complexo tem 1,5 mil metros quadrados dedicados aos pacientes oncológicos. O espaço conta com estacionamento, salas de espera, consultórios médicos, sala de observação e serviço de tomografia exclusivo.


“O paciente tem acesso direto ao serviço e será oferecido todo o conforto, com prioridade ao SUS”, diz o provedor da Santa Casa, Ariovaldo Feliciano. Ele explica que o acelerador linear foi comprado com verba enviada pelo Ministério da Saúde há quatro anos. Custou, na época, R$ 5,5 milhões.


Já o complexo teve investimento de mais R$ 8 milhões: R$ 3 milhões do Governo Federal, R$ 1,5 milhão de emenda parlamentar do deputado estadual Paulo Corrêa Júnior (DEM) e o restante com recursos próprios do hospital.


Logo A Tribuna