EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

15 de Agosto de 2020

Número de policiais militares atuando na folga em Santos dobrará

Medida que deve deixar os policiais satisfeitos é o aumento no valor da hora trabalhada

O número de policiais militares que atuam em Santos nos horários de folga deve dobrar em breve. O novo convênio entre a Prefeitura de Santos e a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) para a Atividade Delegada, renovado nesta quinta-feira (27), prevê que o efetivo da PM no projeto passe de 40 para 80 agentes por semana.

Outra medida que deve deixar os policiais satisfeitos é o aumento no valor da hora trabalhada. Antes, soldados, cabos, sargentos e subtenentes recebiam R$ 19,72 por hora, que passou a R$ 30,50. Já as maiores patentes, como as de tenente, capitão, major, tenente coronel e coronel, irão de R$ 26,32 para R$ 33,10.

O novo convênio é válido por cinco anos, podendo ser prorrogado por mais cinco. A partir de agora, a gratificação será ligada à Unidade Fiscal do Estado de São Paulo (Ufesp). Assim, toda vez que esse índice for reajustado, a hora trabalhada acompanhará o valor automaticamente.

Como funciona

Santos foi a primeira cidade da região a aderir à Atividade Delegada, em maio de 2014. Nela, os PMs podem atuar em conjunto com as equipes da prefeitura, entre outras ações, no combate ao comércio irregular, na perturbação do sossego ou em forças-tarefas.

Aqueles que estão de folga podem fazer jornadas de 8h diárias, com limite de 80h por mês. Em algumas operações, é possível chegar a 12h de trabalho (limite de 96h mensais).

“O foco é nas atividades de prevenção primária, onde ajudamos na fiscalização de leis municipais. Algumas atividades que são da Prefeitura acabam delegadas ao PM para que ele ajude nesta fiscalização”, diz o comandante do 6º Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPM/I), major Cesar Augusto Sampaio Terra.

Nova base na Zona Noroeste

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), revelou que a administração municipal deu entrada na ação de desapropriação da área onde funcionava o Auto Posto Marilu, na esquina entre as avenidas Nossa Senhora de Fátima e Martins Fontes, na entrada da cidade.

No local, será construída uma base que abrigará PM, Guarda Municipal e CET-Santos. Não foi dado prazo para início das obras.

O município terá outra base, mas só da PM, no prédio da antiga Escola Estadual Braz Cubas, no Marapé. Ela deverá funcionar na próxima temporada de verão. “Também investimos na infraestrutura para a PM, como os seis veículos novos e quatro motos que alugamos para o efetivo”, completa Barbosa.

Tudo sobre: