Motel de Santos é condenado a indenizar cliente que teve joelho perfurado por prego da cama

Caso aconteceu em 2022 e sentença favorável à vítima veio após apelação

Por: ATribuna.com.br  -  12/02/24  -  06:43
Em 2022, um cliente teve o joelho direito perfurado por um prego ao deitar-se em uma das camas do motel
Em 2022, um cliente teve o joelho direito perfurado por um prego ao deitar-se em uma das camas do motel   Foto: Reprodução Redes Sociais

Um motel de Santos foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) a pagar a um cliente R$ 5 mil de indenização, com 1% de juros a partir da data da citação. A sentença foi expedida em 18 de janeiro após apelação, já que, em primeira instância, a Justiça não aceitou os pleitos da vítima.


Clique aqui para seguir agora o novo canal de A Tribuna no WhatsApp!


Em 2022, o homem teve o joelho direito perfurado por um prego quando deitou-se na cama do estabelecimento, o Rivieras. Além disso, as despesas processuais e os gastos com medicamentos - com correção monetária desde o pagamento - também estão incluídos na condenação.


Em razão do ferimento, confirmado no processo por meio de fotos, o homem ficou cinco dias afastado do trabalho. Ele solicitou o reembolso de R$ 62,85 referente às despesas com remédios - foi levado, inclusive, à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e tomou vacina contra o tétano, um tipo de infecção bacteriana - e indenização de R$ 10 mil por danos morais.


O estabelecimento chegou a afirmar que tem rigoroso controle de qualidade e nunca registrou caso parecido em quase 30 anos de funcionamento. A defesa do motel alegou também que o valor pedido pela vítima era um absurdo, pois os danos causados seriam leves e incapazes de gerar sequelas.


"O autor, exposto a desgaste e constrangimento em modalidade de risco, de certa forma inusitada, em ambiente de estrutura hoteleira, e, assim, no contexto de indesculpável incúria (negligência), o dano moral sobrevém perfeitamente caracterizado", escreveu o desembargador e relator da apelação sobre o caso, Carlos Russo.


Logo A Tribuna
Newsletter