Escolas de samba de Santos recebem verba de R$ 85 mil

Prefeitura define valor maior do que em 2017, mas inferior a outros anos; agremiações ainda tentam buscar mais recursos

Por: Sheila Almeida & Da Redação &  -  29/11/18  -  09:55
São R$ 33 mil a mais que na última edição, um incremento de 63%
São R$ 33 mil a mais que na última edição, um incremento de 63%   Foto: Alexsander Ferraz/AT

Cada uma das oito escolas de samba que fazem parte do Grupo Especial receberão R$ 85 mil da Prefeitura de Santos para realizar o desfile do Carnaval 2019. São R$ 33 mil a mais que na última edição, um incremento de 63%, numa tentativa de retomada no valor dos repasses que sofreram baixas nos últimos anos. A Liga Independente Cultural das Escolas de Samba de Santos (Licess) – que até estudou a possibilidade de organizar a festa este ano – corre atrás de mais recursos. Tem uma lista de 24 empresas para visitar até dia 10 por meio da Lei Rouanet, mas ainda nenhum apoio.


Os desfiles ocorrerão nos dias 22 e 23 de fevereiro do próximo ano, na Passarela do Samba Dráusio da Cruz, na Zona Noroeste. O Secretário de Cultura de Santos, Rafael Leal, diz que o valor é uma tentativa de estimular a maior manifestação cultural do povo brasileiro, além de movimentar a economia e levar alegria aos munícipes e turistas.


“É importante lembrar que o valor do cachê era de mais de R$ 180 mil e por conta da crise chegou em R$ 52 mil. Nesse tempo, cerca de 70 grandes cidades extinguiram a festa, por falta de recursos. Nós entendemos que o evento movimenta 25 mil pessoas desfilando, com 17 barracões, milhares de trabalhos diretos e indiretos e toda uma cadeia produtiva e criativa injetando recursos na economia da Cidade. É um Carnaval metropolitano. Outras cidades desfilam também”, acrescenta.


O pagamento será feito em cinco parcelas. A primeira após a assinatura do Termo de Compromisso, a partir desta quinta-feira (29), no valor de R$ 15 mil. A segunda dia 28, com o mesmo valor. A terceira e a quarta serão de R$ 25 mil nos dias 18 de janeiro e 11 de fevereiro e, por último, R$ 5 mil serão repassados em 20 de março, segundo o que foi publicado nesta quarta-feira (28) no Diário Oficial de Santos.


Para as quatro integrantes do Grupo de Acesso serão R$ 40 mil. As duas primeiras parcelas são de R$ 6 mil, depois as terceira e quarta de R$ 12,75 mil e a última de R$ 2,5 mil.


O presidente da Licess, Benedito de Andrade de Fernandes, diz que a vontade era do retorno do cachê dado em 2016 (de R$ 180 mil), o que ele entende não ser mais plausível. Desde então só haviam ocorridos baixas nos valores desses repasses.


“A crise está aí, atingiu o País todo. Queira ou não queria, a maioria dos municípios cancelou o Carnaval e, graças a Deus o prefeito atendeu a nossa reivindicação de não paralisar a festa. O valor que foi batido o martelo não é suficiente para fazer um grandioso espetáculo, mas só por não cancelarem já foi uma grande coisa”, diz.


Iniciativa privada


A Liga diz buscar incentivos junto à iniciativa privada e está agora na fase de captação. Oferecerá às empresas espaço publicitário nos camarotes e lateral da passarela.


“É possível que a gente consiga para esse Carnaval. Dependerá da boa vontade da iniciativa privada”, diz o presidente.


Segundo ele, todo recurso arrecadado será dividido por cotas a todas as escolas de samba, sendo com valor diferente para o Grupo Especial. O dinheiro também não seria distribuído, mas usado em sistema de carta de crédito.


“Entraremos em contato com os fornecedores, colocaremos um limite de compra para cada agremiação e mediante nota fiscal para a Liga vai pagar”, conta ele, lembrando que empresas interessadas podem procurá-lo. “O valor é abatido de impostos. O mais importante é ter o projeto aprovado. A mesma pessoa que fez a documentação para a Liga de São Paulo fez a nossa e deu certo”, contou ele, que tem boa expectativa de conseguir.


“Acredito que sim, apesar da dificuldade. Se não obtermos mais apoios, será mais um ano de Carnaval da superação”.


Logo A Tribuna