Problemas sem solução; a saída foi se emancipar

As terras que pertencem a Praia Grande hoje em dia pertenciam antigamente à capitania de São Vicente

Por: Da Redação  -  19/01/21  -  17:57
Fortaleza de Itaipu, um dos locais mais emblemáticos
Fortaleza de Itaipu, um dos locais mais emblemáticos   Foto: Alexsander Ferraz

O praiagrandense é, antes de tudo, um forte. Seja ele do Itaipu ou o que luta para fazer uma cidade cada vez mais pujante e que, há 54 anos, se emancipou de São Vicente e se constituiu como um dos principais destinos turísticos do Estado de SP. Os totens “Eu Amo PG” espalhados por diversos pontos são o símbolo de uma relação de amor entre o município e seu povo.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


A história de Praia Grande começa bem antes de 1967. As terras que pertencem a Praia Grande hoje em dia pertenciam antigamente à capitania de São Vicente que, tempos depois, virou capitania de São Paulo e, séculos mais tarde, Estado de São Paulo.


O rei de Portugal entregou a capitania de São Vicente a Martim Afonso de Souza. Toda ela era administrada por pessoas que viviam na vila de São Vicente, fundada em 1532. Nesta vila, se instalaram os primeiros portugueses que vieram colonizar a região.


Praia Grande pertenceu à cidade de São Vicente até 1967, quando ocorreu sua emancipação política.


O Processo


Não foi algo que aconteceu de repente, nem foi vontade de uma pessoa só. As pessoas reclamavam dos problemas como a falta de saneamento, escolas, transporte, hospitais, abastecimento de água, luz e vias de acesso.


Por isso, os moradores do bairro Solemar viram a possibilidade de se desmembrar de São Vicente e Praia Grande ganhar autonomia. Em 1953, Júlio Secco de Carvalho liderou o movimento juntamente com Nestor Ferreira da Rocha, Heitor Sanchez Toschi e Dorivaldo Loria Junior, entre outros.


Houve muita resistência por parte de São Vicente. Foi realizado em 1963 um plebiscito, que não garantiu ainda a emancipação. Só em 19 de janeiro de 1967 ela ocorreu de fato. O engenheiro Nicolau Paal foi nomeado interventor federal no município. A primeira eleição foi realizada em novembro de 1968, tendo como prefeito Dorivaldo Loria Junior.


Logo A Tribuna