Horário de retorno da excursão 'salva' casal de acidente com ônibus de Praia Grande

Homem, que é porteiro, desistiu de viajar para Campos do Jordão porque precisaria entrar às 5 horas no trabalho

Por: De A Tribuna On-line  -  10/06/19  -  11:25
Atualizado em 10/06/19 - 11:41
Laudo não está pronto 15 dias após acidente que matou 10 pessoas em Campos do Jordão
Laudo não está pronto 15 dias após acidente que matou 10 pessoas em Campos do Jordão   Foto: Reprodução/ TV Tribuna

O horário do retorno da excursão para Campos de Jordão, que terminou em um acidente com 10 mortos e 51 feridos na Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiros (SP-23), salvou a vida de um casal de Praia Grande. Douglas Félix, de 33 anos, e a esposa, iriam viajar com o grupo que estava no ônibus de turismo - que capotou na estrada -, mas por precisar entrar às 5 horas no trabalho, o homem desistiu do passeio.


"A minha esposa queria muito ir, mas a previsão de chegada na Baixada Santista era muito tarde. Sou porteiro e entro no trabalho às 5h e, por isso, desisti. Ela ficou até brava por eu não querer ir, mas Deus sabe o que faz", relatou o rapaz, ao G1.


Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 21h30 para prestar socorro
Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 21h30 para prestar socorro   Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros

O capotamento aconteceu no trecho de serra, na altura do km 31,6, logo após o trevo de Santo Antônio do Pinhal. O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 21h30 para socorrer as vítimas. A Rodovia chegou a ser totalmente interditada, mas foi liberada por volta das 6h desta segunda (10). Ao tombar, o ônibus atingiu cinco carros e uma moto. O acidente teve ainda 51 feridos. As vítimas fatais foram oito adultos e duas crianças.


Em entrevista para A Tribuna On-Line, Suellen Mayara Rodrigues Guerra, de 27 anos, uma das sobreviventes do acidente, disse queo motorista do veículo estava em alta velocidade e na contramão.


Segundo relatado ao G1, o porteiro entrou em contato com a organização da excursão em 3 de junho. Na conversa, ele foi informado que o ônibus sairia de Praia Grande, do Terminal Tude Bastos. Uma publicação, em uma página no Facebook, citou que o veículo faria paradas para recolher passageiros em Santos, São Vicente e também em Cubatão.


"Foi de arrepiar! Acordei a minha esposa na hora. Eu não tenho medo de morrer, mas temos um bebê de um ano e meio que, se fossemos viajar, deixaríamos com a minha sogra. Não posso nem imaginar deixar o meu filho órfão", contou o porteiro, ao saber do ocorrido.


Logo A Tribuna