Disputa à prefeitura de Guarujá já tem 11 pré-candidatos

Prefeito e outros dez interessados na principal cadeira do Paço Moacir dos Santos Filho deverão protagonizar uma eleição disputada

Se o histórico recente da disputa das eleições para a Prefeitura de Guarujá for mantido, o pleito deste ano deverá ser acirrado e resolvido no segundo turno, como em 2012 e em 2016. O fato de o prefeito Válter Suman (PSB) disputar a reeleição não inibiu o surgimento de interessados em concorrer ao Paço Moacir dos Santos Filho. Outros dez cidadãos estão interessados e se apresentam como pré-candidatos ao Executivo a pouco mais de três meses do primeiro turno, que ocorrerá no dia 15 de novembro. 

Suman venceu a eleição passada no segundo turno em uma disputa equilibrada com a ex-deputada estadual Haifa Madi (PPS, atual Cidadania), com diferença de 2.646 votos. O presidente municipal do PSB, Fabrício Henrique, afirmou que está sendo articulada uma grande frente de partidos. O PSD indicará o vice na chapa. Porém, o nome ainda não está definido.

Terceiro colocado em 2016, quando disputou as eleições pelo PSDB, o ex-vereador Gilberto Benzi tentará chegar ao Executivo, desta vez pelo PSL. A decisão foi tomada na quinta-feira (6) e está em sintonia com a diretriz da sigla, que prevê candidaturas próprias nas cidades com mais de 100 mil eleitores.

O PSDB, que teve mudanças no Município entre o final do ano passado e o começo deste, escolheu como pré-candidato advogado André Guerato, crítico ferrenho da atual gestão. 

Outro advogado que participará dessa disputa é Miguel Calmon, de 61 anos. Filiado ao PRTB, foi vice na chapa liderada por Haifa Madi. “Várias pessoas me incentivaram a concorrer neste ano e topei esse desafio”, frisou. 

O empresário Luiz Rogério Corrêa Augusto Júnior, o Dedé da Adélia, é o nome indicado pelo DEM para concorrer à Administração Municipal. Ele foi um dos nomes selecionados para participar do RenovaBr, a maior escola de formação política no País. Ligado ao deputado estadual Paulo Corrêa Júnior (DEM), Dedé disputou uma vaga na Câmara pelo PSB, em 2016, e ficou como segundo suplente. 

O professor Valter Batista voltará a disputar o Executivo neste ano. Em 2016, concorreu pela Rede e terminou na oitava colocação, ao obter 3.300 sufrágios. No entanto, agora ele está no PSOL e não poupa críticas à atual gestão. “Guarujá é uma cidade rica, mas que mantém a população na miséria, e isso passa pela decisão dos governantes”, disse.

ESTREANDO
Em sua primeira eleição municipal, o Podemos decidiu lançar candidatura própria. Trata-se do ex-vereador Edilson Magaiver Ferreira da Silva, muito próximo da presidente nacional da legenda, a deputada federal Renata Abreu. 

“Conseguimos montar uma boa chapa de pré-candidatos a vereador e levantamos as principais demandas junto à população. Estamos trabalhando nesse projeto desde setembro do ano passado”, frisou. 

Outro partido que decidiu lançar um nome pela primeira vez ao Executivo é o Patriota. A professora Luciana Salituri trabalha há mais de 20 anos na rede municipal de ensino e fará sua estreia nas eleições deste ano como candidata.

MAIS NOMES
Mestre em Direito da Saúde, o advogado e professor universitário em Guarujá e em Bertioga Sérgio Zagarino é o pré-candidato do Democracia Cristã (DC). Foi um dos selecionados para participar do curso do RenovaBr.

O Republicanos também quer chegar ao comando do Paço Municipal. O partido indicou o advogado Rodrigo Barboza, de 37 anos, para encarar essa missão. Ele tem como uma de suas bandeiras o desenvolvimento do Município para melhorar a qualidade de vida da população.

Por fim, a Rede deverá lançar ao Executivo o advogado Giovani Vassopoli, que disputou o pleito de 2004 pelo PCdoB e acabou em quarto lugar, após obter 14.210 votos (9,55% dos sufrágios válidos).
 

Casal Madi fora da disputa 

Embora sempre seja citado nas pesquisas de intenção de voto, o prefeito de Guarujá entre 2005 e 2008, Farid Madi (Cidadania), disse que não concorrerá ao Executivo neste ano. Nem sua mulher, a ex-deputada estadual e ex-presidente do Fundo Social de Solidariedade do Município Haifa Madi (Pode). 

É a primeira vez, desde 2004, que o empresário não entrará na disputa pelo Paço. “Não vamos participar por uma opção nossa. Estou cuidando dos meus negócios e aproveitando o momento ao lado da família”, explicou Farid, que está curtindo o nascimento de seu quinto neto. 

Em 2016, Farid aparecia como líder nas sondagens sobre a corrida eleitoral da Pérola do Atlântico, mas teve a candidatura impugnada pela Justiça Eleitoral, pois a Câmara rejeitou as contas de sua gestão referentes aos anos de 2005, 2006 e 2007.

Apesar de ser uma decisão de primeira instância e que poderia ser contestada no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), Farid abriu mão da candidatura e foi substituído por Haifa. No entanto, foi derrotada no segundo turno por uma diferença de 2.646 votos.

O ex-chefe do Executivo disse que não está por fora do que ocorre no cenário eleitoral. Porém, não está envolvido nesse processo. “A gente está observando bastante e somos muito consultados, mas a gente ainda não definiu quem apoiará.” E completou: “Estou torcendo por um contexto melhor para o Guarujá. É um momento difícil para o Brasil e para a nossa cidade não é diferente. Esperamos que possamos superar essa crise”.

 

Tudo sobre: