Preço da gasolina cai em Cubatão e Praia Grande, mas sobe em Santos

A última vez em que a Petrobras anunciou um reajuste foi no início de setembro

Por: Sandro Thadeu  -  03/11/22  -  10:00
Atualizado em 04/11/22 - 09:30
Preço médio do etanol nos postos da região também varia conforme a cidade, segundo a ANP: aumentou em Santos e baixou em Cubatão e Praia Grande
Preço médio do etanol nos postos da região também varia conforme a cidade, segundo a ANP: aumentou em Santos e baixou em Cubatão e Praia Grande   Foto: Fabrício Costa/AT

O preço médio do litro da gasolina nos postos de Cubatão e de Praia Grande teve queda entre os dias 23 e 29 do mês passado em relação à semana anterior. O cenário inverso foi verificado em Santos, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgados na última segunda-feira.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


O panorama nessas cidades da Baixada Santista não acompanha o observado no cenário nacional, em que os valores desse combustível na bomba subiram pela terceira semana consecutiva.


Em Cubatão, o preço médio do litro da gasolina identificado em sete estabelecimentos baixou de R$ 5,03 para R$ 5,01 (queda de 0,40%).


Em Praia Grande, a diminuição foi de 0,62% (de R$ 4,85 caiu para R$ 4,82).


Em Santos, o valor médio desse combustível teve alta de 1,63%, passando de R$ 4,88 para R$ 4,96. Essa variação percentual constatada na Cidade é maior do que a identificada no País (0,61%) no mesmo período.


Defasagem
Segundo dados divulgados, também na segunda-feira, pela Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), a defasagem média no preço da gasolina é de 12% em relação ao do mercado internacional.


A última vez em que a Petrobras anunciou um reajuste foi no início de setembro, quando houve queda de 7% no preço do produto nas refinarias.


No entanto, é provável que a estatal anuncie uma correção nos próximos dias, após o fim do período eleitoral, segundo o economista Eric Gil Dantas.


“É importante lembrar que essa empresa pública não é a única fornecedora de gasolina para o mercado brasileiro, embora seja a principal. Temos a Refinaria de Mataripe, na Bahia, que é privada e segue os preços internacionais, e parte do petróleo é importado. Esses fatores influenciam essa variação dos preços no País”, disse ele, que trabalha no Observatório Social do Petróleo.


Etanol
O preço médio do etanol nos postos da região também varia dependendo da cidade, segundo dados coletados pela ANP nas duas últimas semanas.


Em Santos, a alta foi de 2,97% (de R$ 3,70 para R$ 3,81). Em Cubatão, de 1,03% (de R$ 3,87 para R$ 3,91). Em Praia Grande, o cenário verificado foi o inverso: queda de 1,09% (de R$ 3,66 para R$ 3,62).


Eric Dantas afirmou que já se esperava o aumento do valor do álcool, por causa da entressafra da cana de açúcar, que ocorre entre este mês e dezembro.


No cenário nacional, os preços subiram pela quarta semana consecutiva.


Comparação
Ao se verificar a média dos preços cobrados nos postos de Cubatão, Praia Grande e Santos, é possível afirmar que está mais vantajoso abastecer o veículo com gasolina do que com etanol.


Para chegar a essa conclusão, o consumidor precisa dividir o preço do litro do álcool pelo da gasolina. Se o resultado for inferior a 0,7, o combustível vegetal é a melhor opção. Do contrário, vale a gasolina.


Logo A Tribuna
Newsletter