Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Vila Nova é o bairro mais atingido pela covid-19 em Cubatão

Local possui 1.488, com 43 óbitos. No total, a cidade somou 10.727 doentes e 286 óbitos até 5 de março

Por: Por ATribuna.com.br  -  08/03/21  -  23:04
Cubatão computou 13 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas
Cubatão computou 13 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas   Foto: Matheus Tagé/AT

A Vila Nova segue como o bairro mais afetado pela covid-19 em Cubatão. Os dados são do Serviço de Vigilância Epidemiológica do município que divulgou, nesta segunda-feira (8), uma atualização do quadro da pandemia na cidade.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


No total, o Cubatão possui10.727 casos e 286 óbitos até 5 de março. Na divisão entre bairros, a Vila Nova mantém o maior número de casos, 1.488, com 43 óbitos. Jardim Casqueiro tem 970 casos (26 óbitos), Vila Natal, 864 (22 óbitos), Vila Esperança, 785 casos (16 óbitos) e Jardim Nova República, 724 (20 óbitos). Esses cinco bairros, com 4.831 casos somados, concentram 45,04% do total.


A seguir, apresentam-se Vila dos Pescadores, 571 (19 óbitos), Parque São Luís (569 casos, 13 óbitos) e Vila São José (523 casos, 19 óbitos).


Na casa de quatro centenas de casos aparecem Jardim Costa e Silva (469 casos, 14 óbitos) e Fabril (447 casos, 10 óbitos). Entre 301 e 400 casos, estão Ilha Caraguatá (393 casos, 10 óbitos) e Jardim Real (346 casos, 9 óbitos).


Entre 201 e 300 casos, estão Parque Fernando Jorge (291 casos, 2 óbitos), Vale Verde (275 casos, 2 óbitos), Jardim 31 de Março (217 casos, 9 óbitos), Jardim São Francisco (211 casos, 7 óbitos) e Vila Paulista (209 casos, 9 óbitos). De 101 a 200 casos: Ponte Nova (168 casos, 3 óbitos), Cota 200 (154 casos, 3 óbitos) e Vila São Benedito (104 casos, 6 óbitos).


Entre 51 e 100 casos figuram Vila Couto (98 casos, 1 óbito), Centro (97 casos, 1 óbito), Costa Muniz (93 casos, 1 óbito), Vila Santa Rosa (81 casos, 3 óbito), Água Fria (75 casos, 5 óbitos), Pinhal do Miranda (59 casos, 2 óbitos), e Vila Elizabeth (55 casos, 1 óbito).


Entre 11 e 50 casos: Conjunto Afonso Schmidt (50 casos, 2 óbitos), Pilões (49 casos, 1 óbito), Rodovia Padre Manoel da Nóbrega (28 casos, 4 óbitos), Sítio Novo (25 casos, 1 óbito), Área Industrial (25 casos), Vila Noel (22 casos, 1 óbito), Jardim Anchieta (21 casos, 1 óbito), Mantiqueira (19 casos), Cota 95 (15 casos), Conjunto Rubens Lara (12 casos) e Ilha Bela (11 casos).


Até 10 casos: Morro do Índio (7 casos), Vila Light (5 casos), Conjunto Mario Covas (5 casos), Vila Pelicas (4 casos), Morro do Pica Pau (4 casos), Jardim São Marcos (3 casos), Sítio Cafezal (3 casos) e, com 1 caso, Piaçaguera. Do total, 82 casos não estão especificados. Devido à revisão contínua do banco de dados, é possível ocorrer variações ou alterações da localização de casos.


Letalidade maior a partir dos 60 anos


O índice de letalidade (número de óbitos sobre o total de casos) está em 2,67%. A maior letalidade encontra-se entre as pessoas a partir de 60 anos, com 200 óbitos, o equivalente a 13,19% dos 1.516 casos nessa faixa etária. Entre o total de mortes, essa faixa etária representa 69,93% dos óbitos entre cubatenses.


Com 56 mortes entre 1.813 casos, a faixa de 50 a 59 anos representa 19,58% dos óbitos na cidade, enquanto os 18 óbitos (2.333 casos) na faixa de 40 a 49 anos atingem a marca de 6,29% do total. A faixa seguinte, de 30 a 39 anos, com 6 mortes entre 2.570 casos, representa 2,08% dos óbitos. Já os 4 óbitos entre pessoas de 20 a 29 anos (1.848 casos) representam 1,40% do total.


Ocorreram ainda dois óbitos entre pessoas com menos de 20 anos: nenhum entre 15 e 19 anos (360 casos), 1 óbito entre 10 e 14 anos (143 casos), nenhum óbito entre 5 e 9 anos (84 casos) e 1 óbito de 0 a 4 anos (60 casos).


Em relação às condições de saúde da população, 198 das pessoas que morreram apresentavam comorbidades, 69,23% do total. Entre sexos, o número de casos confirmados mantém-se em equilíbrio, sendo 5.549 mulheres (51,73%) e 5.178 homens (48,27%), enquanto há mais mortes entre homens, 162 (56,64%), do que entre mulheres, 124 (43,36%).


Logo A Tribuna