EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

19 de Agosto de 2019

Caio França defende permanência de Rosana Valle no PSB: 'Tem surpreendido no mandato'

Na visão do deputado estadual, um voto contrário porque a parlamentar possui 'conceito de vida diferente' não pode ser justificativa para medidas extremas

Se depender do deputado estadual Caio França, a deputada federal Rosana Valle seguirá no PSB. Uma das lideranças regionais da Baixada Santista, o parlamentar fez uma defesa da colega de partido, que corre risco de expulsão da legenda por ter votado a favor da reforma da Previdência proposta pelo governo Jair Bolsonaro, contrariando a orientação da sigla.

França participou, nesta quarta-feira (17), do "Jornal Manhã de Notícias", da Rádio Nova FM. Questionado sobre a situação enfrentada pela deputada federal, o pessebista fez questão de elogiar a correligionária.

"É uma pessoa que tem surpreendido no mandato, muito trabalhadora, dedicada, presente nos municípios. Não concordo com a postura de expulsão. Acho um exagero do partido pensar em expulsão dos parlamentares. Disse a ela que, se for o caso do processo ser aberto, me coloco à disposição para contribuir, no sentido de ser um deputado reeleito na região, que possui uma ótima parceria com ela, para dizer que não é por causa de um voto que você pode ser expulso. Porque os seus conceitos de vida são diferentes de outros", comentou o deputado estadual.

Nesta terça-feira (16), em entrevista ao Valor Econômico, o presidente do PSB, Carlos Siqueira, voltou a defender a postura extrema em relação aos 11 parlamentares que não seguiram a orientação do partido, em especial, dos quatro que votaram também contra as emendas feitas à proposta. "Os parlamentares que se indispuseram com os direitos sociais e com os mais pobres nunca se deram bem no partido", disse Siqueira.

Para Caio França, o voto na reforma da Previdência tem a ver, também, com a origem de cada deputado federal. Ele exemplificou ao dizer que todos os parlamentares de São Paulo votaram favoráveis ao texto do governo.

"O PSB ajudou a fazer um novo texto para a reforma, mudando BPC, mudando o trabalhador rural, mudando a constitucionalização da reforma. Como alguns falaram, à medida que você ajuda a construir um novo texto, as suas sugestões são acatadas, e você, mesmo assim, acaba não votando?", analisou França.

Para o pessebista, o número de deputados favoráveis à reforma seria maior se o partido não tivesse fechado questão. Ele pediu equilíbrio para a direção nacional do PSB antes de tomar a decisão, e elogiou os que acompanharam o voto de Rosana Valle, como Felipe Rigoni (PSB). O parlamentar é um dos quatro que também votaram contra as emendas à proposta.

"Pelo momento que o partido passa, se consolidando como uma força. Tem mais deputados do que legendas históricas, como o Democratas. Não acho que o caminho seja a expulsão. Ao contrário, se pudesse, traria a Tabata Amaral para o PSB, porque acho que é um grande nome, alguém que tem sido referência", finalizou o parlamentar, ao citar a deputada paulista que enfrenta rejeição dentro do PDT após ter voto similar ao de Rosana Valle.

Rosana Valle votou contra a orientação do partido (Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)