Aglomeração e falta de ônibus: a dor de cabeça de quem utiliza o transporte público na Baixada

EMTU afirmou que novos veículos serão incluídos na frota quando for constatado a necessidade de mais ônibus em circulação

A aglomeração dentro dos ônibus, o tempo de espera das linhas intermunicipais e a falta de veículos que estão em circulação seguem sendo uma dor de cabeça para os usuários do transporte público metropolitano na Baixada Santista. Mesmo com tantos problemas, a EMTU afirma que segue com fiscalização firme para evitar aglomeração nos coletivos e reiterou que novos veículos serão incluídos na frota quando necessário.

A Baixada Santista está inclusa na fase amarela do Plano São Paulo, de flexibilização das atividades econômicas, desde 10 de julho.

Pouco mais de dois meses após a mudança de fase, o número de usuários que necessitam do transporte público intermunicipal voltou à sua normalidade, principalmente nos horários de pico, de manhã e no fim da tarde.

ATribuna.com.br recebeu depoimentos e fotos de moradores, que preferiram não se identificar, sobre casos de muita aglomeração dentro dos ônibus intermunicipais, principalmente naqueles que chegam a fazer percurso entre três municípios, que originalmente já contam com poucos veículos na frota.

Um dos registros, feitos durante um sábado, no início da tarde, flagra diversas pessoas em pé no circular 947, que faz o trajeto da Área Continental, em São Vicente, até a Ponta da Praia, em Santos. "Sem chance de distânciamento", escreveu o morador.

No mês de abril, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU-SP), responsável pelo serviço de transporte intermunicipal, afirmou que as linhas intermunicipais foram reduzidas em 75%. Nesta época, os municípios da Baixada tinham decretado quarentena, assim como o governo estadual.

ATribuna.com.br questionou a EMTU a respeito da quantidade de ônibus intermunicipais que estão em operação na Baixada, mas a empresa não deu detalhes no número de veículos que estão em circulação. 

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM) afirmou, em nota, que acompanha desde o início da quarentena a "Operação Monitorada" da circulação das linhas intermunicipais que é realizada por faixa horária e em pontos estratégicos da região metropolitana da Baixada Santista. O trabalho é realizado por fiscais da EMTU e sempre que constatada a necessidade, veículos são incluídos no sistema.

A EMTU realiza ações diárias para fazer cumprir a determinação do governo estadual sobre o uso obrigatório de máscaras dentro do transporte público. Todos os ônibus passam por limpeza e higienização antes de sair das garagens. Durante o dia, a limpeza é realizada nos pontos terminais se não interferir nos horários de cumprimento de partida.

Usuários das linhas intermunicipais vivem dor de cabeça com aglomerações e falta de ônibus na região (Foto: Alexsander Ferraz/AT)
Tudo sobre: