EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

16 de Julho de 2019

Projota lança novo álbum com homenagens e letras autobiográficas

Trabalho com 16 faixas foi dividido em dois volumes

A vida pessoal de José Tiago Sabino Pereira, o Projota, sempre foi muito aberta aos fãs. Não por meio de futilidades e postagens sem nexo nas redes sociais. Longe disso. Mas o rapper faz questão de dar um tom autobiográfico a suas letras.O terceiro disco de estúdio, 'Tributo aos Sonhadores I', lançado no fim de abril, não foge à regra.

'Celta Vermelho', que abre o novo álbum, por exemplo, relembra a história de seus pais, a infância e a sua primeira grande vitória: a compra de um Celta vermelho.

“Esse disco saiu bem natural. Saiu dessa forma por eu estar produzindo o próprio disco, algo que não fazia desde as minhas mixtapes. Levei mais de um ano e meio para construir as faixas. Conversei com vários beatmakers, que mandaram as batidas para mim.E ficou dessa forma mais visceral”, comenta Projota.

De acordo com o artista, a vontade de ter o controle total da obra é antiga. “Não me contentava em delegar as coisas para as outras pessoas e ficar só na composição. Então acordei com o 'Eye of Tiger', o olho de tigre mesmo, e estou com ele até agora”, brinca, fazendo menção à música-tema de Rocky Balboa, célebre personagem de Sylvester Stallone nos cinemas.

Em 'Perto do Céu', o músico presta uma homenagem a Chorão e os companheiros de Charlie Brown Jr. “O Chorão é uma grande referência pra mim, como compositor e sonhador. Ele foi um dos maiores sonhadores que conheci. Tive o prazer de conhecê-lo, mas não tivemos a chance de gravarmos juntos. Eu chorei muito quando escrevi essa letra”.

O rapper conta ainda que, no início, não pensava numa temática para o disco. Mas as faixas tinham uma relação interessante entre elas.

“De alguma maneira, todas as músicas falam de sonhos, realizações. Elas se conectam. Por isso que surgiu o 'Tributo aos Sonhadores'. A ideia inicial era fazer uma mixtape com essas músicas”, explica o músico.

Originalmente com 16 faixas, 'Tributo aos Sonhadores' foi dividido em dois volumes, com oito canções cada. Segundo Projota, a parte dois do projeto sai no segundo semestre. “Na real, já queria soltar tudo junto, mas pediram e eu dividi. É o formato mais ideal no momento. Vai depender do andamento e retorno desse primeiro álbum. Ainda não está gravado, mas tenho quase tudo planejado. Estou fechando algumas participações, mas o prazo é esse mesmo”, adianta.

Com o trap em alta, vertente mais badalada do RAP na atualidade, Projota garante que se influenciou pela batida na hora de produzir o novo disco.

“No estúdio, eu me tranco e não escuto mais nada. Mas no carro, ouço. Escuto muito trap e isso acaba influenciando. Tem bastante trap no meu disco, mas coloco minha mensagem. Não sou o único que faz isso. Posso até fazer um e curtir, mas não vou falar de joias ou drogas. Eu faço do meu jeito, é diferente”.