EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

10 de Agosto de 2020

Morre aos 90 anos a atriz Daisy Lúcidi, vítima de Covid-19

Também radialista e política, ela estava internada em um hospital da rede particular desde o dia 25 de abril; óbito foi confirmado na madrugada desta quinta-feira (7)

A atriz, radialista e política Daisy Lúcidi, de 90 anos, morreu às 3h20 desta quinta-feira (7). Ela estava internada, desde 25 de abril, com sintomas de Covid-19 no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital São Lucas, em Copacabana, Zona Sul do Rio.   

Daisy Lúcidi era viúva do jornalista esportivo Luiz Mendes, com quem foi casada por 64 anos. A atriz, que teve um filho também já falecido, deixa netos. 

Ela integrou o primeiro elenco de atores da Rádio Globo e fez sua estreia na TV em 1960. Como radialista, comandou, durante 46 anos, o programa “Alô Daisy”, na Rádio Nacional. Foi ainda vereadora e deputada estadual no Rio.    

Natural da cidade do Rio de Janeiro, Daisy Lúcidi nasceu no dia 10 de agosto de 1929. Foi acompanhando seu pai nos ensaios de um curso de teatro amador que conquistou seu primeiro papel, aos 6 anos de idade, na peça “Nuvem”, de Coelho Neto, no teatro Dulcina, no Rio.  

Com a inauguração da Rádio Globo, em 1944, passou a fazer parte da equipe de atores das radionovelas. Foi também nas ondas do rádio que conheceu seu companheiro, o jornalista esportivo Luiz Mendes, que, à época, comandava o programa “Alô, Rio”.  

Não demorou até que a Rádio Nacional, mais importante emissora da época, a chamasse para integrar seu elenco, o que aconteceu em 1953. Na TV, sua estreia aconteceu em 1960, participando de uma minissérie dirigida por Janete Clair, na extinta TV Rio.  

A primeira novela na Globo foi o “Homem Proibido”, em 1967. Também trabalhou em “Supermanoela” (1974), “Bravo” (1975) e o “Casarão” (1976). 

Na década de 1970, Daisy Lúcidi passou a se dedicar à política. Foi vereadora e deputada estadual durante 18 anos no Rio de Janeiro. 

Mas a vocação artística falou mais alto e 31 anos depois, ela voltou a atuar. Em 2007, retornou às telas da rede Globo, em “Paraíso Tropical”, a convite de Gilberto Braga, autor da novela. Como a encrenqueira síndica Iracema, ela reconquistou a simpatia do público.  

Mesmo em papéis difíceis, ganhava elogios pela interpretação. Em “Passione” (2010), novela de Silvio de Abreu, Daisy viveu a dissimulada Vó Valentina, que explorava as duas netas. Em 2013, fez uma participação em “Tapas & Beijos”. A última novela na Globo, foi “Geração Brasil”, em 2014. Lúcidi dizia que não pensava em parar e que tinha muito amor pela profissão. 

*Com informações do G1 

Tudo sobre: