Mercado de e-books e audiolivros registra faturamento 140% maior

Pesquisa encomendada pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) aponta crescimento na procura por essas versões

Conteúdos digitais vêm sendo cada vez mais buscados por quem procura boas histórias, sejam elas em livros digitais, conhecidos como e-books, ou em audiolivros. E o que era uma percepção de todo o setor editorial se confirmou em dados.

Uma pesquisa feita pela Nielsen Book, a pedido da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), mostra que, nos últimos três anos, o faturamento deste setor cresceu 140%.

“A gente já percebia que havia uma tendência de crescimento. No começo, falavam muito que os e-books seriam o caminho, mas a gente não sentia muito. Mas depois de um investimento que as empresas fizeram em tecnologia nos últimos três anos, isso começou a aparecer”, comenta o presidente da CBL, Vitor Loyola. 

Mesmo com a alta do faturamento, esse conteúdo digital ainda representa 4% do mercado editorial. 
O estudo Conteúdo Digital do Setor Editorial Brasileiro, que ouviu 146 editoras, pesquisou a produção e o faturamento de e-books, audiolivros e outras plataformas de distribuição de conteúdo, entre os anos de 2016 e 2019. 

A receita do mercado editorial com estes formatos em 2019 foi de R$ 103 milhões, um crescimento de 140% quando comparado com o Censo Digital de 2016. Isto significa um aumento real de 115%, considerada a variação do IPCA no período. 

Três categorias

O conteúdo digital foi pesquisado em três categorias: Ficção (literatura infantil, juvenil, jovens adultos, literatura geral, poesia), Não-ficção (biografias, ensaios, autoajuda negócios, espiritualidade, religião) e Científico-Técnico-Profissional (CTP). Do faturamento total, R$ 71 milhões foram de unidades vendidas e R$ 32 milhões de outras plataformas, como assinatura e biblioteca virtual.

Nas vendas em unidades, as categorias de ficção e não-ficção representam 60% do total, e CTP, 40%. 

Os livros digitais ainda dominam esse mercado. No total, foram vendidas 4,7 milhões de unidades, sendo 96% e-books e 4% audiolivros. Sobre o faturamento de unidades vendidas, 99% foram e-books.

A pesquisa aponta ainda que o acervo digital total é de 71 mil títulos. Em 2019, foram lançados 8,9 mil novos títulos, onde 92% são e-books e 8%, audiolivros.

Pesquisa Anual

Essa é a primeira pesquisa que o setor faz, mas que deve se tornar anual, como a que ocorre com os livros físicos na Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro.

Loyola acredita que, devido à pandemia, quando muitas livrarias acabaram fechando as portas por um período, a próxima coleta de dados deve mostrar um crescimento maior do conteúdo digital.

Tudo sobre: