EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

8 de Agosto de 2020

Ian Leite tem talento premiado com 'Mãe do Corpo'

Mãe do Corpo conta a história da jovem Hanna, de forma poética

Mãe do Corpo. Este é o título de um dos minidocumentários selecionados pelo programa Itaú Cultural, no edital Arte como Respiro.Seu diretor é Ian Leite, profissional de audiovisual de 30 anos que atualmente mora em São Paulo, mas viveu por 15 anos em Santos, onde a sua família ainda reside. 

Formado em produção editorial, ele assina a direção e a fotografia do minidocumentário. “Ter sido escolhido no edital do Itaú Cultural foi muito importante para me dar confiança e entender que o meu olhar audiovisual tem potencial”, conta Ian. “Gosto de projetos que envolvam educação, gênero ou cultura. Tento ao máximo passar essa experiência para os espectadores. O edital fez com que eu retrabalhasse essa ideia, me dando um gás no meio dessa pandemia”. 

Inspirado na profissão por ser um apaixonado por livros e histórias em geral, Ian acabou seguindo a carreira no audiovisual por influência do irmão.

“Eu não sabia quase nada no começo, mas essa paixão por histórias continuava a mesma. Tive sorte de ter muitos professores ao longo da carreira e devo muito a eles”, assinala. 

Ian conta também que as inspirações vêm de um exercício constante de observar seu entorno com um olhar estrangeiro, sempre atento aos pequenos detalhes que poderiam passar despercebidos. “Na maior parte das vezes sou chamado para desenvolver um tema preestabelecido, mas sempre acabo me envolvendo no processo e estudo bastante para entender cada universo.”

Em Mãe do Corpo, o diretor visou explorar suas raízes nortistas, já que nasceu em Manaus, mas saiu de lá muito cedo. “Queria mostrar que existe um imaginário e uma realidade que muita gente desconhece e que é muito fascinante”.

“A Hanna, personagem do vídeo, é uma jovem com várias histórias incríveis e escolhi uma delas para passar pra tela. Agradeço sempre pela oportunidade que ela me deu, de poder ouvir e interpretar de forma poética esse relato.”

Pandemia e Futuro 

Ian não ficou imune à pandemia. Assim como muitos outros profissionais de arte, teve de pausar diversos projetos com a produtora. Mas isso o fez repensar alguns rumos que gostaria de trilhar.

“No momento estamos escrevendo algumas coisas para, quem sabe mais pra frente, tirar essas ideias do papel”, prevê ele, que também trabalha na produção de podcasts e textos.

“Para o futuro, eu espero poder colocar cada vez mais projetos em pé, tirar as ideias da gaveta e tocar o máximo de pessoas possíveis com eles. Hoje em dia existem diversas maneiras de se expressar e não gostaria de me prender a nenhuma delas”. 
Para assistir ao minidocumentário, basta acessar o Instagram

Tudo sobre: