Emílio Dantas e Fabiula Nascimento e os bastidores de Amor e Sorte

Casal na vida real, os atores tiveram de se adaptar à maratona de gravações, com direito a muitos imprevistos

Emílio Dantas e Fabiula Nascimento encararam a missão de contar a história do casal Clara e Francisco na própria casa em Amor e Sorte, série da Globo exibida às terças-feiras. No episódio Territórios, escrito por Adriana Falcão e Jô Abdu, os personagens decidem se divorciar à noite, mas, no dia seguinte, são impedidos de se separarem por causa da pandemia do novo coronavírus. E são obrigados a um confinamento, juntos. Para piorar, ela ainda enfrenta a suspeita de estar com covid-19.

 Assine A Tribuna agora mesmo por R$ 1,90 e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos!

“Para mim, a primeira cena foi um choque. Nós não tivemos tempo de criar essas pessoas, então os personagens são misturados com o nosso jeito de ser. A Patrícia Pedrosa e o Ricardo Spencer (diretores) estavam muito ligados na gente, nos direcionando todo o tempo. A última coisa em que pensamos foi interpretar, mas nasceram novas nuances”, afirma Fabiula.

Além de atuar, Fabiula e Emílio ficaram responsáveis pela filmagem das cenas e montagem do cenário e equipamento com o auxílio virtual da equipe técnica. Segundo eles, o processo de divisão de tarefas ocorreu de forma natural, por ambos saberem liderar.

Os atores também destacam que o aprendizado de novas funções foi grande e eles viram a experiência como algo prazeroso e que fariam novamente.

“Toda a parte tecnológica foi bem explicada, mas o mais complicado era dividir as coisas do dia a dia com a gravação. Por exemplo, lidar com os cachorros soltos no set; com chuva que podia interferir no sinal da internet, e sem ninguém (presencialmente) para ajudar. Na hora de comer, não tinha o nosso almoço pronto. Foi difícil o home office”, relata Emílio.

Participação especial

No episódio deles de Amor e Sorte, Fabiula e Emílio contaram com a participação especial dos seus cachorros Chã, Patinho e Lagarto, que na história se chamam Pá, Peito e Acém. Além disso, os atores exploraram outro lado artístico ao pintarem juntos uma grande tela para compor o ambiente da trama.
“O Emílio que é o grande pintor, musicista, tudo... Na ficção a gente trocou: eu que sou a grande artista plástica da casa. Nós trabalhamos nessa tela uma semana antes de começar a gravar e a Patrícia deu total liberdade de colocarmos as nossas impressões”, revela a atriz.

De acordo com Emílio, uma das partes mais legais de fazer a série foi a de revisitar a própria trajetória. Ele confessa que, ao gravar o episódio, se lembrou de quando trabalhava com produção de vídeo em seu primeiro emprego e isso despertou certo saudosismo. Sem falar que ele se interessou pela fotografia e solucionou questionamentos que tinha sobre alguns aspectos do ofício.

“Sou muito curioso, gosto de aprender qualquer coisa. Então, eu tinha várias dúvidas sobre fotografia, coisas que eu comecei a entender melhor aqui. Não tinha nenhum tutorial de como se fazer uma série dentro de casa. Talvez, seja a única coisa que não está no YouTube. Foi louco descobrir isso tudo”, conta o ator.

Repensar a vida

Assim como os personagens da ficção, Fabiula e Emílio também ficaram isolados em casa devido à pandemia. Durante esse período, a atriz conta que os dois tiveram tempo para repensar a vida, enlouquecer e discutir temas que iam desde os bichos de estimação ao futuro próximo. 
Para a artista, é importante reconhecer os privilégios que tem e ajudar aqueles que ela pode, mesmo que à distância.

“A gente é pego de surpresa cada dia por uma notícia. Temos muita saudade dos amigos e da família, mas aqui temos que segurar a barra um do outro. Vamos nos equilibrando porque essa é a nossa realidade agora. Esse tal de novo normal me irrita demais. Para mim, tinha que ser o ‘novo ninguém sabe’. É o desconhecido”, opina Fabiula.

Tudo sobre: