EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Fevereiro de 2019

Diretora da Vogue Brasil é criticada por festa considerada racista

Festa comemorativa da diretora Donata Meirelles causou polêmicas nas redes sociais

Donata Meirelles, diretora de estilo da revista Vogue Brasil, comemorou seus 50 anos com uma festa luxuosa nesta sexta-feira (8), em Salvador.0 Fotos divulgadas nas redes sociais com a hashtag #doshow50 mostram mulheres negras vestidas como "mucamas" e posando ao lado de uma cadeira que lembra um "trono de sinhá", conforme relatos de internautas que criticam a empresária por evento considerado racista.

A festa foi realizada no Palácio da Aclamação, edifício monumental na cidade baiana, e contou com um show de Caetano Veloso. Outras personalidades compareceram ao evento. Nas fotos, internautas notaram que o tema lembrava a escravidão.

"A decoração da festa foi Brasil Colônia Escravocrata, com direito a mulheres pretas vestidas de mucamas ambientando a festa e recebendo os convidados, como vimos na foto, até o trono da sinhá tinha", apontou Joyce Fernandes, rapper conhecida como Preta Rara, em uma publicação no Facebook. O relato dela acompanhou fotos do evento, que foram compartilhadas por diferentes pessoas nas redes sociais.

Nos comentários, a maioria das pessoas concordou com Joyce e emitiu opiniões. "Não é possível que acharam mesmo que isso ia ser legal. Deve ter sido feito já na intenção de gerar polêmica", escreveu um internauta. "Lamentável", "ridículo" e "tosco" foram outros termos usados.

Houve também quem tentou ponderar a situação, mas intitulando a publicação de "mimimi". "Isso é mimimi. Elas estão trabalhando porque querem, acredito que ninguém aí foi obrigada. Que é isso? Será que não existe negro ou negra ricos? Elas aceitaram trabalhar porque querem, precisam de dinheiro, não porque tinham de fazer obrigatoriamente", justificou a pessoa.

No Twitter, internautas também se manifestaram sobre o caso.

Por meio da assessoria de imprensa da Vogue Brasil, o E+ conseguiu uma resposta de Donata Meirelles sobre o caso. A revista deixa claro que a festa foi pessoal, não teve relação com a publicação. Confira abaixo, na íntegra, o posicionamento da diretora de estilo da revista:

"Ontem comemorei meus 50 anos em Salvador, cidade de meu marido e que tanto amo. Não era uma festa temática. Como era sexta-feira e a festa foi na Bahia, muitos convidados e o receptivo estavam de branco, como reza a tradição. Mas vale também esclarecer: nas fotos publicadas, a cadeira não era uma cadeira de Sinhá, e sim de candomblé, e as roupas não eram de mucama, mas trajes de baiana de festa. Ainda assim, se causamos uma impressão diferente dessa, peço desculpas. Respeito a Bahia, sua cultura e suas tradições, assim como as baianas, que são Patrimônio Imaterial desta terra que também considero minha e que recebem com tanto carinho os visitantes no aeroporto, nas ruas e nas festas. Mas, como dizia Juscelino, com erro não há compromisso e, como diz o samba, perdão foi feito para pedir".