Desalma, drama sobrenatural de alto nível

A produção estreou na última quinta-feira, com dez episódios. E a boa notícia é que a segunda temporada desse drama sobrenatural já está confirmada

Quase um ano depois de sua apresentação na CCXP (Comic Con Experience), em São Paulo, a série Desalma, enfim, está na Globoplay. A produção estreou na última quinta-feira, com dez episódios. E a boa notícia é que a segunda temporada desse drama sobrenatural já está confirmada.

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Desalma me agrada desde sua criação até a entrega do que promete. Drama sobrenatural não é algo muito comum no Brasil, mas a autora Ana Paula Maia faz isso com muita capacidade. A direção de Carlos Manga Jr, João Paulo Jabur e Pablo Muller consegue imprimir o texto com maestria, além das atuações de Cássia Kiss, Cláudia Abreu e Maria Ribeiro. Esse trio está muito bem em cena.

Quem não tem muito estômago para cenas pesadas, recomendo não assistir Desalma antes de dormir. Na primeira cena já temos um suicídio. Não é um cartão de visitas muito convidativo, mas as coisas se desenrolam bem. 

Em Brígida, uma cidade fictícia do sul do Brasil, colonizada por ucranianos, uma festa pagã é banida após uma tragédia. No entanto, 30 anos depois ela retorna, mas com eventos sombrios que mexem com toda a população. As tais festas são rituais de bruxaria que prometem trazer de volta ao mundo dos vivos almas de pessoas que já se foram.

A tendência é que a segunda temporada vá mais a fundo nos mistérios e no sobrenatural. A primeira temporada nos mostra como Brígida e seus moradores estão ligados uns aos outros. Agora, esse universo bem atormentador pode ser ainda mais explorado por seus criadores. 

Não duvido nada que a segunda temporada já não esteja pronta, aproveitando todo o impacto que deve ter tido com a gravação dos primeiros dez episódios. Não custa reforçar: foi quase um ano de espera desde a apresentação de Desalma na CCXP. Globoplay demorou bastante para lançar.

O que é muito agradável também nessa produção é o cuidado que a equipe teve de retratar os imigrantes ucranianos no Sul do Brasil. É uma riqueza de detalhes que impressiona quem gosta de ler sobre o assunto.

A trilha sonora sombria também caiu muito bem na série. Desalma é suspense, causa apreensão, gera incômodo para quem assiste. O Sepultura, um dos maiores nomes do metal, participa para dar esse tempo extra na trilha da produção. Não chega a ser surpresa, pois a banda já havia se apresentado na CCXP com a versão pesada de Tainted Love, do Soft Cell.

Tudo sobre: