Com 101 coquetéis, livro permite mergulho na cachaça

Especialista em coquetelaria e mixologia Marco De La Roche convida o leitor a uma imersão

Por: Bruno Caldeira Mendes, colaborador  -  12/05/24  -  20:26
Livro permite mergulho decabeça no mundo da cachaça
Livro permite mergulho decabeça no mundo da cachaça   Foto: Alexsander Ferraz/AT

A obra do renomado especialista em coquetelaria e mixologia Marco De La Roche, editor-chefe do site Mixology News, convida o leitor a uma imersão profunda no universo da cachaça, desvendando sua história, cultura nacional, curiosidades e dicas de especialistas, com explicações técnicas e didáticas desde o que é a cachaça, seus métodos de preparo e os tipos de madeiras usadas no envelhecimento. Isso sem deixar de alertar sobre o consumo responsável.


Além de uma ode à cachaça, o livro 101 Coquetéis com Cachaça é um valioso material didático para iniciantes e fonte de pesquisa para barmen experientes. E não para por aí, estão programados pelo menos mais oito livros da série sobre licores, vermutes, tequila e vodca, entre outros.


Com 50 bartenders convidados a apresentarem suas criações com cachaça, Marco destacou novos clássicos, como Macunaíma (Arnaldo Hirai), Banzeiro (Laércio Zulu) e Capivara (Gregori Sanglard e Igor Renovato).


Presença caiçara
Temos também a contribuição de talentos caiçaras, como Rogério Rabbit (Caipirinha de Café) e Rick Sousa (Ao Mestre com Amor), adicionando mais sabor e criatividade às páginas.


E entre as diversas personalidades da coquetelaria e coquetéis memoráveis deste livro, tive a honra de ter meu coquetel em homenagem à cidade de Santos registrado no livro, o Santos Sour.


Foi um grande desafio homenagear Santos em um coquetel. A inspiração veio de elementos que falam forte ao público caiçara. O ponto de partida foi testar as melhores combinações de sabores e aromas. O limão Galego, conhecido pelos mais antigos como o limão da caipirinha, já que era o utilizado para ela e a batida de limão (sem leite condensado) a partir da década de 1920, se fez presente. Hoje, ele é conhecido como “limão do quintal da avó”.


Outro ingrediente foi a cerveja pilsen, que é o estilo mais consumido não só na cidade de Santos, mas em outros locais pelo Brasil. Ela entra na receita em forma de xarope, trazendo doçura e leveza ao coquetel. O café, uma das marcas santistas, entra na receita em forma de masceração, mais conhecida como infusão — são pelo menos oito horas de descanso dos grãos de café Bourbon na cachaça.


Alguns relatos indicam que a cachaça nasceu aqui, quando Santos ainda pertencia à Capitania de São Vicente, mais precisamente no Engenho dos Erasmos. Ela era um subproduto do açúcar, o chamado ouro branco da época. Fala-se também que a caipirinha foi batizada em Santos por conta das cachaças vindas do Interior de São Paulo, no preparo da batida de limão e, posteriormente, do coquetel Caipira. Limão cortado na hora, açúcar e o gelo, item que até o final da década de 1950 era artigo de luxo e que ninguém usaria para misturar com cachaça.


Desde 1909 existem registros, em A Tribuna, da Morrão Santista, cachaça artesanal feita por colonos portugueses – inclusive meu avô Felipe Dias Caldeira fez parte dessa história, produzindo cachaça no alto do Morro da Penha, assim como várias famílias que tinham alambiques espalhados pelos morros, que por sua pureza e qualidade era considerada uma cachaça premium. Não era usada para fazer o coquetel, por isso se usava a cachaça caipira, assim batizando o coquetel brasileiro mais conhecido no mundo, a caipirinha.


O Santos Sour traz os aromas adocicados de café moído na hora, além de ser refrescante e cremoso como um chope bem tirado. Por fim, a cachaça e o limão remetem ao clássico brasileiro tipo exportação, a Caipirinha. Trata-se de um sour perfeito para uma cidade onde é verão o ano inteiro.


Em cada receita do livro, conta-se a história que levou à criação do coquetel, sua composição, perfil sensorial, além da “Dica do Marco” e “Você Sabia?” que contam alguma curiosidade sobre o coquetel ou ingrediente. No caso do Santos Sour, Marco diz: “Eu já preparei esse drinque e posso te garantir, no começo parece estranho, mas na boca surpreende. Esse xarope de cerveja Pilsen ganha uma personalidade e faz desse sour um drinque completo”.


Serviço: Ebook: 101 Drinks com Cachaça por Marco De la Roche – Mixology News. Link do site. Valor R$ 49.


Tudo sobre:
Logo A Tribuna
Newsletter