EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

8 de Agosto de 2020

Veja dicas para montar um cantinho relaxante na sua casa

Não é preciso muito espaço, pode ser até mesmo um um cantinho zen portátil

Antes do isolamento social, a correria era com o trânsito, com o trabalho e faltava tempo para descansar no lar. De repente, tudo mudou e as pessoas começaram a ter que ficar mais em casa. Para muitos, surgiu outra preocupação: nem todo mundo tem um espaço reservado para relaxar. Porém, arquitetos e decoradores explicam que um cantinho zen não precisa ser coisa só de filme ou de gente espiritualizada.

Sempre é possível reservar um espacinho a mais para respirar fundo e se desconectar do estresse. 
A arquiteta Marília Queiroz conta que, mesmo em espaços pequenos, é possível montar um cantinho zen eficaz. Até porque “hoje essa é a realidade de muita gente, já que os apartamentos estão cada vez mais compactos”. 
Segundo ela, até em plantas de imóveis maiores, sempre vai faltar espaço. Afinal, os moradores vão incrementando ambientes e dão uso para todos os cantos da casa.

O que restam, portanto, são a criatividade e a personalização.  “O nome já diz: é só um cantinho. Não é preciso um quarto a mais para isso. Um bom espaço zen é aquele onde você vai colocar uma poltrona, futon ou mesmo uma almofada no chão, para relaxar. Não necessariamente precisa ser um local grande”, orienta. 

A arquiteta indica como melhor opção, quando possível, o uso da sacada. Além da iluminação natural durante o dia, ela possibilita que a pessoa sinta melhor o vento, podendo se afastar das áreas comuns da casa. 

“Quando bem feito, o canto zen vira quase um refúgio. Mesmo que a sacada não seja grande, dá para adaptar uma poltrona com vaso do lado, uma lanterna para o fim da tarde ou noite, um aromatizador  e pronto. Você já tem elementos que transmitem sensações que vão te tirar da mesmice”. 

Raquel Maria de Souza, designer de interiores, dá outra dica: “Tente pensar em algum espaço que não teria outro uso dentro de casa, como o vão da escada, ou um lugar com dupla função, como a sua própria cama, instalando prateleiras próximas com o que você precisa. Só cuidado com o corredor, porque sempre alguém vai passar e te tirar o foco”. 
A psicologia das cores estuda as sensações que cada tonalidade traz ao ser humano. Pensando nisso, a pintura das paredes também pode transformar parte de um cômodo num cantinho zen, criando uma divisão de ambientes e transmitindo paz, como indica Raquel Souza. 

“Sempre acho essa uma ótima solução, pois quem quer transformar sozinho sabe que pintar é fácil e barato. E algumas cores transmitem serenidade, tranquilidade. O verde, por exemplo representa saúde. O roxo traz a espiritualidade, e por que não o branco, pela paz?” 
Quanto aos elementos, Marília diz que nem sempre é preciso obedecer padrões internacionais, com estátua de Buda ou imagens religiosas ao lado de velas, sobre um tapete.

“Tem que ser muito pessoal. O dono precisa olhar para o local e sentir vontade de sentar ali, relaxar, meditar. Se ele relaxa lendo um livro, que seja. Pode haver itens religiosos ou não, mas sempre é indicado colocar elementos que liguem com a natureza: planta, terra, cascata, 
a vela por causa do fogo, a luz do sol. Tudo isso, instintivamente, faz nos sentirmos bem. Não tem regra”. 

O cantinho pode ser móvel. É só deixar tapete, almofada, velas etc dentro de um cesto e mover pela casa (Adobe Stock)

Portátil
Raquel de Souza dá dica para quem não quer ter um cantinho zen permanente. “Eu uso um tapete de ioga. Dobrável, ele pode ser guardado, assim como a vela ou o livro”. Se você compra um bom cesto,deixa o tapete enrolado, uma mantinha, almofadas, na hora de montar fica ainda mais bonito. Vira um canto zen portátil, transportável”. 

 

Tudo sobre: