CLUBE IMPRESSO ACERVO COVID
The Dark Pictures Anthology: Little Hope é ótima pedida para quem curte jogos de terror
Game se passa numa cidade fantasma e tem história instigante, na qual cada decisão sua modifica a trama
Por: Stevens Standke  -  08/11/20  -  12:47
  Foto: Foto Divulgação

A Supermassive Games se especializou com maestria na produção de jogos de terror envolventes e imersivos, em que você tem a sensação de que participa de um filme ou seriado do gênero. Digo isso não só pelos belos gráficos, pois os personagens são construídos a partir da captura de feições, movimentos e vozes de atores reais – sendo que sempre pelo menos um dos membros do elenco já é conhecido do grande público, por algum longa ou seriado.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!


Outro ponto importantíssimo é que, desde a primeira experiência do estúdio nessa linha do terror (Until Dawn, de 2015), fica claro o cuidado que tem para elaborar um roteiro consistente, sem apelações ou exageros e bem rico e costurado. Afinal, em todos os trabalhos da Supermassive na vertente do horror, a dinâmica do jogo segue o seguinte formato: você comanda um grupo de personagens – na maioria adolescentes, como o gênero pede – e, além de explorar os ambientes e solucionar puzzles, as escolhas de diálogos e atitudes que você toma influenciam diretamente o relacionamento entre os personagens e o desenrolar da trama. De modo que há mais de uma opção de final – do melhor, em que você consegue concluir o game sem ninguém morrer, até o pior desfecho possível.


No ano passado, a Supermassive, junto com a Bandai Namco, deu start na série de jogos The Dark Pictures Anthology, com a proposta de resgatar o terror clássico que nos acostumamos a curtir na literatura, no rádio, na TV e no cinema e que acabou sendo meio que deixado de lado pela indústria do entretenimento de um tempo para cá. E o mais interessante? Tudo isso adaptado para o universo dos videogames. 


Também faz parte da proposta do estúdio lançar, no prazo de seis a 12 meses, um novo game da série, com um enredo inédito, totalmente diferente do anterior, com duração média de seis a oito horas (dependendo das suas habilidades de jogador ou do quanto decide explorar os cenários e alternativas existentes).


Os protagonistas do game: o casal Taylor e Daniel, o professor John, Andrew e Angela   Foto: Foto Divulgação

Bem-vindo a Little Hope


Enquanto Man of Medan – título que abriu a série The Dark Pictures Anthology em 2019 – era ambientado em um navio assombrado, Little Hope, que acaba de chegar ao PS4, Xbox One e PC, se passa numa cidade fantasma do nordeste dos Estados Unidos, logicamente chamada Little Hope.
Nesse segundo jogo da série, o professor universitário John sai para uma excursão aparentemente inofensiva e corriqueira com um grupo de quatro alunos. São eles: Andrew (interpretado por Will Poulter, ator mais famoso que participa do game e que fez filmes como os da saga Maze Runner), o casal Daniel e Taylor e Angela, a estudante mais velha da turma.


No meio da noite, o ônibus que leva o grupo para o passeio sofre um acidente e o motorista, de repente, some. Os cinco protagonistas, então, se veem sozinhos na estrada, rodeados por um nevoeiro para lá de estranho – porque, quando tentam ir no sentido contrário ao da entrada de Little Hope, eles não conseguem avançar no trajeto e sempre voltam para o mesmo lugar em que estavam. Logo, são obrigados a ir para a cidade abandonada, parte do circuito de pontos turísticos assombrados dos EUA.
Ao pisar em Little Hope, o grupo se depara com um bar, com o nome sugestivo de O Gato Preto, onde conversa com o transtornado Vince. Fica a dica: tome cuidado com a maneira como lida com ele, já que isso interfere no fim do game, assim como a decisão de carregar uma arma no seu inventário.


A partir daí, Andrew e cia. começam a vasculhar Little Hope, em alguns momentos divididos em dois grupos, e descobrem que a cidade dependia 100% de uma fábrica de tecidos, mas que, com o encerramento das suas atividades, os negócios locais entraram em falência e a população foi migrando de pouco em pouco, até o município ficar completamente abandonado.


Até o final, você vai se perguntar se Mary é inocente ou a grande vilã de Little Hope   Foto: Foto Divulgação


 


Caça às bruxas


Só que não para nisso. Conforme o grupo vai encontrando objetos de ocultismo espalhados por Little Hope, John e seus alunos passam a ter visões de uma enigmática garotinha, chamada Mary, e da cidade durante a época da Inquisição. Para entender melhor: da mesma forma como aconteceu na icônica Salem, Little Hope também foi palco de uma opressiva caça às bruxas.


Quer mais? Com o avançar dos fatos, Andrew, John, Angela, Daniel e Taylor não apenas começam a ser perseguidos por bisonhas criaturas como, nos flashes do passado, se deparam com sósias suas, que foram acusadas de bruxaria, julgadas e mortas.


O resto é surpresa, né? Somente posso dizer que você vai ficar se perguntando até o último instante se Mary é tão inocente assim ou se o que ocorre em Little Hope é culpa dela. De qualquer jeito, tenha em mente que nem tudo que parece, de fato, é. E prepare-se para uma grande surpresa no final.
Mais algumas dicas: se Angela morrer logo de cara, você vai perder uma cena inteira do segundo ato e se, no terceiro ato, Taylor e Daniel não estiverem mais vivos, diga adeus a uma outra sequência bacana.


Presença garantida nos jogos da série, o Curador aparece nos intervalos da história   Foto: Foto Captura PS4


Para ajudar ou confundir?


Uma semelhança entre Man of Medan e Little Hope é a presença da figura do Curador, um homem misterioso – para não dizer sinistro – que, entre um ato e outro da história, aparece em uma biblioteca analisando as suas atitudes. Em alguns momentos, ele ainda dá conselhos, que, dependendo do caso, podem mais confundir do que ajudar.


Curtindo com os amigos


Com mecânicas e ritmo aperfeiçoados, em relação a Man of Medan, Little Hope mantém duas formas de curtir o game com os amigos: seja on-line ou presencialmente, dividindo os controles com até cinco pessoas.


Há alguns conteúdos extras que são liberados conforme você coleta determinados itens na primeira vez em que joga o título. E quando fechar o game, espere a conclusão dos créditos, para assistir ao primeiro teaser do próximo jogo da série The Dark Pictures Anthology: House of Ashes, que vai sair em 2021 e narrar a saga de um grupo de soldados em uma caverna dominada por forças sobrenaturais.