Tecnologia pode transformar o seu banho em uma experiência digna de 'SPA'

A tecnologia que dá conforto e praticidade ao dia-a-dia também está na hora do banho. É possível fazer hidromassagem em pé ou até ouvir a música que passa pela água da ducha

Com jatos de água de diferentes direções, modelo promove hidromassagem. (Divulgação/Roca Brasil)

O que você quer para o seu banho? Uma ducha fina e forte para massagear as costas, a regulagem da temperatura à mão, a certeza de que não vai gastar muita água, ou você é daqueles que não abre mão de um ambiente com luz calma ou uma boa música no chuveiro? Porque hoje já é possível escolher entre várias dessas opções. O banho está cada vez mais tecnológico, para a sorte de quem ama relaxar debaixo d’água.

A arquiteta Cristiane Schiavoni diz que existem dezenas de tipos de chuveiros. A escolha deve ser como a compra de um carro. 

“É preciso avaliar os itens, porque é algo muito pessoal. Há vários preços e modelos. Para uns, o carro precisa ter ar-condicionado, mesmo que o preço seja mais caro. Outros não abrem mão do câmbio automático. Eu, por exemplo, quando comprei meu chuveiro, sabia que o modelo escolhido gastava menos água do que o anterior. Mesmo assim, tinha um gasto maior do que o chuveiro da casa dos meus filhos. Mas, eu não abria mão desse tipo de conforto no meu banho”.

Como escolher

Porém, não é só o conforto que deve ser considerado. É preciso lembrar do tipo de instalação. Os dois principais sistemas de aquecimento de água no Brasil são o elétrico - uma invenção brasileira da década de 1940 – e o a gás. Ambos servem para o banho, mas têm diferentes opções de modelos, preço e desempenho.

O elétrico tem vantagem por requerer apenas um ponto de energia próximo à saída de água. Mas, as arquitetas Danielle Dantas e Paula Passos, do escritório Dantas e Passos Arquitetura, alertam que talvez essa não seja a melhor opção a quem toma banhos demorados.

Em razão do consumo de energia elétrica, já que o seu aquecimento é composto por uma resistência – o que pode custar caro no fim do mês. Por outro lado, o grande diferencial do modelo elétrico é seu baixo consumo de água, já que ele aquece rápido sem a necessidade de ligar a água minutos antes, explicam.

Cristiane lembra que, como são as duchas as que dão mais opções tecnológicas, é preciso levar em conta se uma modificação no sistema, com a colocação de canos para aquecimento a gás, será útil.

“Não dá para generalizar dizendo se vale a pena ou não. Cada caso é um caso. Vai ter lares onde é fácil levar a infraestrutura e outros onde é bem complicado. Geralmente, em apartamento, é mais difícil, apesar das soluções disponíveis no mercado, como sistemas externos que não exigem quebra-quebra. Mas pelo custo, tem que analisar junto a um profissional”, cita. “Financeiramente falando, é um ivestimento razoável, mas não proibitivo. Não é o preço de um carro, por exemplo”.

Antes de comprar

No caso das duchas, olhar a ficha técnica é primordial para saber se a vazão de água necessária e a pressão exigida estão de acordo com o que se tem em casa. 
“Dependendo do chuveiro, se você tem baixa pressão de água, ele não funciona. A pressão depende de vários fatores, com o a altura da caixa d'água, por exemplo. Então, não dá para falar que se morar em casa não pode ter e que num apartamento, sempre pode. Uma pessoa que mora no último andar, tem muita pressão de água. No primeiro, nem tanto. Tem como medir isso por cálculos de engenharia ou com um equipamento específico”, diz Cristiane.

Danielle e Paula ressaltam que nos modelos elétricos é importante verificar a voltagem e a potência. 

“Chuveiros com potência abaixo de 5.400 watts costumam ser mais baratos e econômicos em relação ao consumo de energia. Porém, eles tendem a queimar com mais facilidade”, diz Danielle. 

O que existe
Para o deleite geral, hoje há chuveiros com cromoterapia, nos quais a água sai colorida – uma opção antiga, mas que vem ganhando força. Há os grandões com volume de água maior, saindo do teto ou da parede e enganando quanto ao volume água gasta, pois misturam o ar à ducha, para economizar. E tem as duchas que são como uma hidromassagem vertical.

Aline Pereira, gerente de marketing da Roca Brasil, conta que a marca para a qual trabalha só vende duchas que precisam de aquecimento a gás .Uma delas é justamente a coluna de hidromassagem.

“Você pode ter um chuveiro normal ou subir um degrau a mais, com a coluna de hidromassagem, que é top. Consegue reunir numa única peça, todas as funções: têm estética, traz o design para o banho e a experiência de um SPA em casa, sem precisar de uma banheira de imersão”, diz, sobre os modelos Essencial e Evolution, com quatro e cinco saídas de água, respectivamente. Custam, em média R$ 10.100, em diversas lojas.

Para casais em que cada um gosta de um tipo de banho, o Acqua Duo, da Lorenzetti, é opção. É elétrico, com ducha e chuveiro em um único produto. Custa R$ 469,90 na Sodimac Dicico.

Neste, a música passa por dentro da água, facilitando a cantoria. (Divulgação/Kohler)

O Moxie, da Kohler, inclui no chuveiro, caixa de som sem fio e cabo carregador micro USB para carregar a bateria. Isso porque o modelo tem uma caixa de som para um streaming de músicas, notícias ou outras fontes de áudio favoritas durante o banho. Se conecta a aparelhos com bluetooth, incluindo smartphones, tocadores de MP3, tablets e notebooks a até 9,75 metros de distância. Custa R$ 599, na Decor House, em Santos.

Tudo sobre: