EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

25 de Abril de 2019

Saiba como cuidar de suas finanças pessoais

A melhor forma é planejar, preparando seu orçamento

Para sair do vermelho ou ser um bom investidor é preciso manter a saúde financeira. Mas isso não é o suficiente. Comporte-se como se fosse uma empresa que, além das contas em dia, tem metas, custos enxutos, lucro e capacidade para investir. Muitas pessoas veem as finanças na situação de vítima, como se fossem predestinadas a um eterno aperto no bolso. Mas, pensando como empresário de você mesmo, por uma questão de sobrevivência, terá que abandonar expressões como “com o que eu ganho não dá para investir” ou “nunca sobra dinheiro no final do mês”.

Como qualquer empresa, é necessário ter caixa para as despesas do dia a dia e uma reserva para surpresas. Para isso, é preciso haver previsibilidade. A melhor forma é planejar, preparando seu orçamento. Nele entram todas as despesas e receitas, estimando até as contas variáveis, como alimentação fora de casa e lazer.

Não desperdice nenhum real. Os supermercados somam à compra os centavos que, produto a produto, viram reais. Por que você acha que um item custa R$ 3,15 e não apenas R$ 3 para facilitar o troco? Porque a margem de lucro desse segmento é apertadíssima e nenhuma miudeza pode ser desperdiçada. Também já fez a conta de quantas vezes em um ano pagou o cafezinho do colega que nem sempre retribuiu a gentileza? E não deixe moedas abandonadas na gaveta ou no cofrinho.

Cortador de custos

Com suas contas esmiuçadas, provavelmente irá identificar itens que poderiam custar menos ou serem cortados por uma questão de utilidade. Avalie assinaturas de aplicativos e se o plano de celular tem serviços que não consome. Cuidado, essas empresas costumam dar descontos de 90 dias para fisgá-lo, que, depois, vão pesar no orçamento quando a promoção expirar.

Também não se ache esperto ao ligar a uma operadora de TV ameaçando cancelar o pacote com a intenção de ganhar alguns canais. Essas empresas já sabem disso e têm ofertas prontas que não vão resultar em economia no médio prazo. A ideia é pagar somente por aquilo que você vai usar. Assim como se deve evitar alimentos que serão jogados fora, não assine um serviço que não será acessado.

Peso da Manutenção

Se vai comprar algo, veja o impacto daquilo ao longo do ano. Comece a poupar antes e pague o máximo possível à vista. Se o produto tem tecnologia embutida, como um celular, avalie levar o modelo sem o último upgrade para gastar bem menos. Não fique apaixonado por algo que vai para a reciclagem logo.

Uma empresa não pode fazer um grande investimento que vai ameaçar seu futuro. Para isso, além de planejar o gasto financeiro, é preciso pensar nos custos de manutenção. É o caso do carro. Sempre se quer um melhor e mais sofisticado, que vai ter mais impostos, seguro e manutenção mais caros. Tente estimar a despesa mensal daqui a um ou dois anos. Jamais se seduza pela prestação que cabe no bolso.

Também se prepare para surpresas. Assim como uma empresa tem época de vendas fracas, sofre roubos e até enchentes, monte uma reserva financeira para cobrir imprevistos de pessoa física – como doenças, multas de trânsito, demissão ou sumiço de clientes quando se é profissional liberal.

Poupe de três a seis vezes suas despesas mensais, formando sua reserva. Por exemplo, se seus gastos somam R$ 5 mil por mês, o seu objetivo será R$ 30 mil aplicados. Atenção: é importante que esse valor seja de fácil resgate. Portanto, evite CDBs e outros investimentos que “prendem” o dinheiro.

Assim como uma empresa aproveita oportunidades para faturar mais, faça o mesmo. Se vai comprar casa própria, carro ou viajar, fique de olho nas promoções. Veja também as melhores aplicações financeiras e as monitore sempre. Mas cuidado com a sensação de vantagem, de que descobriu o negócio da China. A ganância pode falir o seu lado empresa.