EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

3 de Abril de 2020

Não espere ter sede

A correria do dia a dia pode te deixar desidratado. Saiba como identificar quando o corpo implora por água e aprenda a calcular a quantidade ideal para você beber diariamente

A sede é o principal e primeiro sinalizador de que nosso estoque de água está baixo, de acordo com Daphnne Camaroske Vera, nefrologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo. Isso pode ocorrer em dias muito quentes, após atividades físicas, episódios de febre, diarreia ou vômitos. Outros sintomas são boca e pele secas, dores de cabeça, câimbras, cabelo quebradiço. 

“Se o intestino ficou preguiçoso, apresentando prisão de ventre, isso também indica que a ingestão hídrica não está adequada. Assim como sensação de fadiga, falta de concentração, frequentes infecções urinárias e crise de cálculos renais. A desidratação é mais perigosa nos extremos de vida.

Ou seja, recém-nascidos e idosos são grupos de maior risco e com mais chances de ter sequelas. Fraldas secas em período maior de três horas e choro sem lágrimas são sinais de alerta em bebês; nos idosos, confusão mental”. 

Por tudo isso, não se deve esperar ter sede. E há vários aplicativos para baixar no celular (busque por “beba água”) que lembram e calculam a quantidade mínima ideal com base no peso/altura/idade. Para criar o hábito, já que a vida corrida faz muita gente se esquecer disso, a dica de Tatiana Pimentel, pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional e Coach pelo Professional Nutrition Coaching, é observar a cor da própria urina. “Bem clara é o ideal. Quanto mais escura, mais está faltando água”, diz a nutricionista. Importante: refrigerante não é substituto da água. 
Sem se intoxicar

O contrário vale a pena ser lembrado: sobrecarrega os rins beber água em excesso. “A hiper-hidratação leva a um desequilíbrio nos eletrólitos do organismo, principalmente no sódio, potássio e magnésio, que são importantes para o funcionamento dos rins e do coração. A chamada intoxicação por água pode ocorrer principalmente diante de uma ingestão volumosa (de três a quatro litros) em curto período de tempo (uma hora)”, orienta Daphnne. O comum é eliminarmos de 800 a mil mililitros por hora. “O restante fica acumulado, levando principalmente a queda excessiva de sódio (hiponatremia) na corrente sanguínea. Ela é grave, podendo ocasionar confusão mental, crises convulsivas e até óbito. Alguns antidepressivos e diuréticos podem piorar esse quadro”, detalha a nefrologista, acrescentando que, em pacientes com problemas no coração, a situação se complica. 

Médico sobre a quantidade ideal. Para Daphnne, deve ser, em média, 35 mililitros por quilo de peso. “Por exemplo, um indivíduo de 60 kg deve ingerir 2,1 litros, já um de 80 kg, 2,8 litros”. O médico do esporte Lucas Jankauskas concorda que se faça uma análise individualizada, o que permite considerar idade, sexo, peso, se pratica atividade física ou não...

“É comum que o idoso perca o reflexo da sede, facilitando ficar desidratado. Assim como há crianças bem ativas que transpiram bastante sem repor a quantidade correta”, exemplifica ele.

O adulto que vive em cidade litorânea ou que registra calor intenso transpira mais do que quem mora subindo a serra, sendo recomendável, segundo Jankauskas, “ingerir ao menos 30 ml por quilo. Se a pessoa pratica atividade física, deve agregar um pouco mais devido à transpiração ao se exercitar”. E o médico faz um alerta: “De 60% a 70% do tecido muscular são constituídos de água. Se ela faltar, você não terá quantidade de massa magra suficiente. Mais na frente, isso vai prejudicar o bem-estar. O trabalho que fazemos com o público de 60 anos em diante é melhorar a sua massa magra, a fim de preservar os movimentos funcionais”. 

Hidratação para corredores

Para quem pratica atividade física, principalmente modalidades como corrida, a orientação é hidratar-se antes, durante e depois do treino. “Quanto mais fracionar, melhor, além de estar prolongando o efeito positivo dos exercícios”, ensina o médico do esporte. “Ainda mais em um dia de bastante calor”, reforça Tatiana, indicando a quem corre se hidratar com água mais isotônicos, sucos de frutas e água de coco. 

O ideal é beber, pelo menos, uma hora antes do treino 500 ml de água e continuar (cerca de 200 ml a cada 20 minutos de corrida). “As bebidas isotônicas repõem os sais minerais perdidos no suor e podem ser consumidas após 90 minutos de esforço físico. São à base de água, sais minerais e carboidratos de rápida absorção, que fornecem energia aos músculos. Já a água de coco é um isotônico natural, rico em potássio e sódio”, diz a nutricionista.  

Depois da corrida, a hidratação pede atenção especial. Tatiana sugere, além da água, picolé de frutas, água de coco ou sucos de frutas, como este: bata 1 folha de hortelã, 1 fatia de melancia, 3 fatias de abacaxi, 200 ml de água de coco; coe e beba gelado.

https://www.atribuna.com.br/variedades/atrevista/%C3%A1guas-aromatizadas-s%C3%A3o-saud%C3%A1veis-e-perfeitas-para-refrescar-aprenda-receitas-1.89233


 

Tudo sobre: