Marvel's Spider-Man: Miles Morales é uma aventura imperdível; leia a análise

Novo jogo baseado nas HQs do Homem-Aranha chega ao PS4 e PS5 com tudo. O game aperfeiçoa o que já era muito bom e garante horas de diversão

Marvel´s Spider-Man foi um verdadeiro marco na história do PlayStation 4. Com um número expressivo de vendas – mais de 13 milhões de cópias ao redor do mundo –, o game foi não só um dos grandes blockbusters exclusivos do console da Sony como também pôs um ponto final na sucessão de jogos de qualidade duvidosa inspirados nas HQs e personagens da Marvel. Portanto, não teria como a Insomniac Games não se dedicar ao desenvolvimento de mais jogos ambientados no mundo do Homem-Aranha.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

Curiosamente, em vez de lançar logo a sequência direta do título de 2018, o estúdio optou por colocar no mercado uma espécie de spin-off. Trata-se de Marvel´s Spider-Man: Miles Morales, que acaba de chegar ao PlayStation 4 e tem ainda a missão de ser um dos principais games exclusivos na estreia do PlayStation 5 – o console de nova geração, embora já tenha sido lançado em alguns países ontem, só vai dar as caras por aqui na próxima quinta-feira (19). E detalhe: quem adquire Marvel´s Spider-Man: Miles Morales de PS4 pode baixar, sem qualquer custo, a versão de PS5, com gráficos, logicamente, bem mais turbinados.

Miles Morales e Peter Parker lutam juntos no início do jogo (Foto: Reprodução PS4)

Como o próprio nome indica, o novo game é estrelado por Miles Morales. Preciso dizer que nunca me liguei muito no personagem nos quadrinhos, sempre preferi Peter Parker como Homem-Aranha. Mas o jogo da Insomniac conseguiu me fazer rever isso, a ponto de, pelo menos nessa aventura gamer, ter curtido tanto Miles que nem senti falta de Peter.

Vale lembrar que, nas HQs, Peter e Miles habitavam inicialmente universos paralelos. Apenas com o tempo, eles passaram a viver na mesma realidade e patrulhar Nova York juntos. O jogo de 2018 da Insomniac, apesar de ser protagonizado por Peter, já flertava com essa Big Apple compartilhada, tanto que algumas missões da segunda parte da história são focadas em Miles, que, naquele instante, havia acabado de perder o pai, o policial Jefferson Davis, em um incidente a céu aberto.

Pessoas mais importantes na vida de Miles: Phin, Gank e a mãe, Rio Morales (Foto: Reprodução PS4)

Dilema à vista

O novo game, portanto, mostra Miles se habituando com os seus poderes e o papel de super-herói. No início do jogo, ele conta com o suporte de Peter Parker, mas, por causa de uma viagem a trabalho com Mary Jane, o primeiro Homem-Aranha precisa se ausentar de Nova York e deixa a segurança da cidade nas mãos do parceiro.

É assim que começamos a mergulhar no cotidiano de Miles, recém-chegado ao bairro do Harlem, depois de crescer no Brooklyn, e conhecemos as pessoas mais importantes de sua vida: a mãe, Rio Morales, que disputa eleições locais; Gank Lee, um gênio geek da tecnologia e amigo de escola do super-herói que o auxilia remotamente nas missões; e Phin Mason, melhor amiga de Miles e personagem estratégico no enredo do game.

Phin Mason é, na realidade, Tinkerer, líder do grupo Underground (Foto: Reprodução PS4)

Afinal, ela comanda, sem ninguém saber, sob a identidade de Tinkerer, o Underground, grupo aparentemente terrorista que tem como meta destruir a empresa de energia Roxxon e seu CEO, Simon Krieger. Fica a dica: não caia no charme do executivo, pois, no decorrer do jogo, você vai se surpreender bastante com ele.

Miles descobre que o tio, Aaron Davis, é o bandido Prowler, o Gatuno das HQs (Foto: Reprodução PS4)

Para completar, Miles reencontra o tio, Aaron Davis, que trabalha no metrô, e descobre o motivo de sua família ter cancelado o parente: no passado, ele atuou como o ladrão Prowler, vilão mais conhecido nos quadrinhos como Gatuno.

Na medida certa

Totalmente em português, Marvel´s Spider-Man: Miles Morales aproveita a estrutura básica de seu precursor e melhora o que já era muito bom: os gráficos, a jogabilidade, as sequências apocalípticas etc. A história principal, como deu para perceber, gira em torno do embate entre Underground e Roxxon, só que há uma infinidade de missões secundárias, bem variadas, que garantem tranquilamente cerca de 20 horas de entretenimento (ou mais, dependendo do engajamento e das habilidades de cada um).

O mais legal neste novo jogo ainda é percorrer os céus de Nova York (Foto: Reprodução PS4)

Um dos grandes baratos do game continua sendo percorrer os bairros de Nova York escalando prédios, atirando teias para todos os lados e fazendo acrobacias (o que pode render belas imagens para a galeria do seu PlayStation). Enquanto que as batalhas, que já eram superdivertidas, estão ainda mais insanas e cinematográficas, graças aos poderes de Miles (os golpes de bioenergia e a capacidade de ficar invisível).

A tempo: as árvores para evolução das habilidades do herói foram mantidas, assim como o recurso de criar dispositivos para usar nas batalhas e a possibilidade de acompanhar o feed das redes sociais do personagem.

Soma-se a isso um app elaborado por Gank Lee para Miles receber pedidos de ajuda da população. E para alegria especialmente dos fãs, dá para liberar 19 uniformes diferentes, incluindo o do badalado longa-metragem Homem-Aranha no Aranhaverso.

Ao longo do game, Miles se indispõe com Simon Krieger e a empresa Roxxon (Foto: Reprodução PS4)
Tudo sobre: