EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

14 de Agosto de 2020

Esquecidos, animais especiais só precisam de um lar

Projeto unindo Guarujá e Santos quer estimular adoção de animais mais velhos e de pelagem escura - os que nunca são escolhidos

Pedro, o cão que está há mais tempo na Codevida, espera há oito anos. (Foto: Alexsander Ferraz)

Só na Coordenadoria de Vida Animal (Codevida), em Santos, há cerca de 120 pets para adoção. Em média, 80% deles têm pelagem preta ou escura e mais de 5 anos de idade. Por isso, não são adotados. E eles passam uma grande parcela da vida em uma baia, mesmo sendo cães e gatos de temperamento dócil e ótimos para uma família. A situação motivou a união da Codevida e da Diretoria de Bem-Estar Animal de Guarujá para realizar uma campanha: Animais Especiais. 

A ideia é, a partir de histórias e fotos no Facebook, tentar fazer com que mais gente adote esses pets, que hoje recebem os cuidados nas duas cidades, mas podem ir para lares de moradores de qualquer município, desde que os tutores mostrem responsabilidade. 

Em Santos, um dos cães que há mais tempo aguardam um lar é Pedro (na foto da capa), de 9 anos – oito deles vividos na Codevida. Em Guarujá, dos mais de 150 animais disponíveis esperando um lar, pelo menos um terço é de pelagem escura, adulto ou idoso.

Vivi Vargas, coordenadora da Diretoria de Bem-Estar Animal de Guarujá, não sabe explicar se trata-se de preconceito racial ou não. “Simplesmente as pessoas olham e preferem animais de outra cor. Se houver nove filhotes amarelos e um preto, o preto fica”.

Leila Abreu, coordenadora da Codevida, de Santos, conta que, com o confinamento por tantos anos, esses animais que só estão lá porque já sofreram o abandono apresentam algum tipo de sequela. 

“Eles desenvolvem o que a gente chama de comportamento esteriotipado, geralmente para minimizar uma frustração ou a energia acumulada, a angústia. Então, começam a se mutilar, lamber muito as patas, se morder, cavar o chão, a parede... Porque o confinamento causa muito isso. Infelizmente é o que acontece com a maioria desses bichinhos”. 

Para minimizar a situação, a Codevida tem projetos como o Rolê Animal, em que as famílias podem retirar os pets para um passeio, mas nem todos são contemplados.

“Gatos, por exemplo, temos vários pelados. Os pelos caem por conta desse sofrimento. Em nove anos de Codevida, se eu doei quatro gatos adultos, é muito”. 

Vivi observa que, no caso dos felinos, o cuidado precisa ser maior ainda na instituição de proteção animal. “Parece mentira, mas nós não colocamos gatos pretos para adoção na sexta-feira 13, por medo de fazerem maldades contra os bichinhos. Apesar disso, gato preto é mais fácil de ser adotado do que cão de pelo escuro”.

Com o trabalho de divulgação de fotos e histórias das duas cidades, alguns animais especiais – devido a um problema de saúde, cor do pelo ou idade – estão ganhando novos lares. O momento da entrega na nova casa também é registrado e publicado na web. Tudo está disponível no facebook.com/ animaisespeciais2020.

Cuba, que envelheceu na Codevida, também espera há quase uma década. (Foto: Alexsander Ferraz)

Porém, dezenas de outros cães e gatos esperam interessados em posse responsável, como o Cuba (na foto acima), cão de cerca de 9 anos de idade, que, junto ao Pedro, forma a dupla de cachorros sem raça definida que há mais tempo aguarda adoção em Santos. 

A diferença, além da cor, é que Pedro é mais tranquilo. Foi doado duas vezes e, quando fugiu pela última vez, encontrou sozinho a Codevida. Já Cuba é um pouco mais serelepe e está mais tempo sem ser contemplado com uma família.

Para adotar, na Codevida, é preciso levar documentos e agendar entrevista. O horário de funcionamento está reduzido, portanto é necessário ligar antes para os telefones 3203-5075 ou 3203-5593. O endereço é Avenida Francisco Manoel, s/nº, no bairro Jabaquara.

Na Coordenadoria de Bem-Estar Animal de Guarujá é preciso, primeiro, comparecer no Canil Municipal São Lázaro, na Avenida Professora Maria Lídia Rego Lima, 301, Jardim Conceiçãozinha, de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas. O tutor deve ser maior de 18 anos e levar RG ou carteira de habilitação, além do comprovante de residência. Mais pelo 3387-7197.

Tudo sobre: