EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

20 de Janeiro de 2020

Caminhada é prática esportiva recomendada para afastar problemas cardíacos e depressão

Seja no começo da manhã ou no início da noite, muita gente aproveita a estação mais quente do ano para fazer caminhadas e corridas. Mas saiba que alguns cuidados são fundamentais

Não é segredo para ninguém que quem mora à beira-mar adora se exercitar na areia. No verão, especialmente nas primeiras horas do dia ou nos fins de tarde, as atividades, principalmente caminhadas e corridas, ganham ainda mais adeptos.

Para o ortopedista Igor Marijuschkin, da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé (ABTPé), a caminhada é uma forma leve e prazerosa de atividade física que pode ser praticada em qualquer idade e em qualquer lugar. “Ela faz bem para os músculos e as articulações, além de afastar problemas cardíacos e depressão”.

Segundo o médico, por ser uma atividade de baixo impacto, ela é adequada para pessoas sedentárias ou com algum tipo de dificuldade relacionada à idade, doenças degenerativas associadas e outras necessidades especiais.

Mas, mesmo com todas essas vantagens, o ortopedista recomenda cautela. “É fundamental passar por uma avaliação médica inicial e ter a liberação para a atividade física escolhida. Isso evita lesões e até problemas cardíacos”, explica Marijuschkin, ressaltando a importância de se fazer um alongamento e um aquecimento  de, pelo menos, 20 minutos.

De modo geral, a caminhada deve durar de 30 minutos a duas horas. “Acima disso seria recomendado associar outro exercício, como a musculação, por exemplo”. E embora seja algo comum para quem mora na região, caminhar na beira da água pode trazer muitos problemas de fasceíte plantar (inflamação na sola do pé), que ocorre, principalmente, em duas situações: quando o praticante percorre grandes distâncias ou se alonga de forma inadequada.

“Costumo liberar um canal ida e volta na beira d’água, o que é conhecido como caminhada recreacional. Se a ideia é utilizá-la como atividade física em intervalos maiores, oriento pôr tênis de corrida e andar no calçadão ou na areia batida, não na parte fofa”.

Outro alerta do membro da ABTPé vai para aqueles que costumam caminhar com água até o joelho. “Não acho isso adequado, traz riscos para a articulação dos joelhos e coluna e um ganho muito pequeno em relação à musculatura. Nesses casos, seria mais adequado entrar em uma musculação”. 

 

Corrida

Muita gente decide começar a caminhar para depois iniciar na corrida. “Lembrando que a corrida é uma atividade física de alto impacto e necessita de avaliação médica mais profunda, como a realização de um teste ergométrico. Após a liberação médica, o ideal é começar com caminhada e corrida intercaladas, no mínimo, por 30 minutos. Gosto de intervalos de três minutos para cada, mas depende de vários fatores, que são individuais”.

Em relação ao impacto, o médico salienta que, na caminhada, não há praticamente nenhum. “Já a corrida triplica a carga. Em uma pessoa de 100 quilos, são 300 quilos de força a cada passada”.

Algumas pessoas ainda acham que a corrida e a caminhada servem para a mesma coisa, mas, apesar de possuírem benefícios parecidos, os objetivos atingidos são distintos.

“Tanto a caminhada quanto a corrida se mostram boas para a saúde e alguns benefícios são iguais nas duas modalidades, como o controle da hipertensão, da diabetes e do colesterol e a liberação de endorfinas, hormônios que relaxam o corpo, geram sensação de bem- estar e auxiliam na boa qualidade do sono. Porém, na hora da escolha, tudo depende do objetivo final”, lembra a cirurgiã vascular Aline Lamaita, angiologista e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. 

“Ambas são excelentes para o sistema circulatório, pois a prática de exercícios físicos aumenta o fluxo da circulação do sangue e melhora o retorno venoso com a finalidade de levar oxigênio às células dos músculos e tecidos próximos. Assim como o sangue chega aos membros inferiores, precisa voltar ao coração para ser bombeado de novo”.

Se o objetivo é perder peso ou competir, a corrida é a melhor opção. Nela, a capacidade de perda energética e, consequentemente, de perda de peso é maior. Além de contribuir para queima de gordura, o exercício ajuda a desenvolver os músculos e a fortalecer o sistema imunológico. Porém, a corrida é indicada para pessoas que têm mais aptidão e condicionamento físico. 

Se a meta é sair do sedentarismo ou preparar o corpo para atividades físicas mais pesadas, a caminhada é o ideal. Segundo Aline, ela protege mais o coração, por exigir menos esforço dele. “O risco de lesões ao caminhar também é menor quando comparado à corrida.

Além disso, a atividade auxilia no combate da osteoporose, protege de infartos e pode ser realizada por um grupo maior de pessoas”.

 

Outras dicas

Porém, o mais importante é sempre respeitar seus limites. Para quem quer começar a correr, atenção: intercale a corrida com a caminhada; Foque na respiração e faça exercícios para fortalecer a musculatura, em especial da perna. Independentemente da sua meta (eliminar alguns quilos ou começar 2020 com uma vida mais saudável), é imprescindível realizar, primeiro, uma avaliação médica.

Tudo sobre: