EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

13 de Julho de 2020

Atletas e artistas colocam a mão na massa durante a pandemia

Empanadas argentinas, pães artesanais ou mesmo e outras ações viraram parte do cotidiano de quem representa o Brasil, durante a quarentena contra o novo coronavírus

A pandemia não mudou a rotina só de quem saiu do escritório para trabalhar em casa. Forçou atletas e artistas a se reinventarem. Alguns, inclusive, colocaram a mão na massa literalmente.

É o caso do triatleta Thomas Galindez. O argentino radicado em Santos, de 23 anos, é filho do ícone do triatlo mundial Oscar Galindez. Há seis meses, levou o título do Ironman Mar del Plata (Argentina) e estava se preparando para ir ao Mundial de Triatlo, no Havaí, quando chegou a pandemia. Com menos patrocínios devido à parada, ele se reinventou. Está levando um pouco da Argentina à casa dos santistas, com empanadas entregues de bicicleta, por ele mesmo.

Junto a irmã, Sofia Galindez,  triatleta Thomas começou o novo negócio  (Matheus Tagé)

“Eu sempre gostei de cozinhar e minha mãe me criou assim, fazendo de tudo. Com a quarentena, surgiu a ideia de ir para cozinha com a minha irmã, Sofia, e juntos preparamos tudo”, conta o jovem, que acorda cedo, abre a massa, treina, põe tudo no forno, treina novamente e estica a preparação física com o delivery. Antes, era para ser só um auxílio financeiro, mas o negócio deu tão certo que os irmãos abriram um perfil no Instagram, o @cocinagalindez. Teve dia em que atenderam mais de 130 pedidos. 

Thays, de Santos e o chileno Jorge, artistas circenses, fazem pão. (Fausto Franco)

Pegada Circense
Um casal de artistas circenses, que desde 2018 está em Santos, tem história semelhante, mas fazendo pão. Thays Oliveira de Carvalho, de 34 anos, bailarina que faz aéreos e duos de acrobacias, é de Santos e passou vários anos trabalhando a bordo de um navio, com a arte. Foi lá que conheceu o chileno Jorge Olivares, ginasta de 30, que também atuava como artista nos cruzeiros. 

Os dois começaram a namorar e, para que não tivessem de ficar separados, Thays migrou da dança para os números de circo. Isso deu tão certo que, há dois anos, eles decidiram aportar em Santos, casaram-se e foram criar o próprio número circense. 

Pães Don Jorge virou negócio após a família aprovar as receitas. (Divulgação)

“Viajamos ano passado por dez capitais do País, com a Turma da Mônica. Foi uma bela experiência. Quando voltamos para Santos, para preparar nosso próximo espetáculo, já inclusive com festival marcado, veio a pandemia. Aí, começamos a vender pães”, conta a artista. 

A ideia nasceu por conta das mãos habilidosas de Jorge. Com mais tempo em casa, ele começou a experimentar receitas da internet. Gostou e procurou cursos para melhorar a sua técnica.

“Percebi que eu tinha um dom, porque ficava muito gostoso. Nós levamos para a família da Thays e o irmão dela falou para a gente vender. Já temos clientes repetindo pedidos”, conta ele, sobre a recém-criada @paesdonjorge, na rede social Instagram. 

Agora, a rotina dos dois se divide entre fornadas e treinos em casa, além das entregas de bicicleta, reforçando os exercícios e ajudando a manter a forma, assim como os pães, que são de massa integral. 

Surfista Caio Ibeli apoia projeto que vai beneficiar famílias de Guarujá. (Santos Press)

Onda solidária
Quem não põe a mão na massa de fato pode ajudar a impulsionar ideias para que o bem siga sendo feito. Caio Ibelli, surfista guarujaense da World Surf League (WSL), de 26 anos, virou apoiador do Projeto Ondas – dirigido pelo ex-surfista bicampeão brasileiro Jojó de Olivença. A proposta é buscar voluntários para aderir ao financiamento coletivo que visa arrecadar R$ 43.890. A quantia será usada nos próximos três meses, para distribuir kit com cesta básica, leite, ovos e outra proteína, produtos de higiene e limpeza, gás, medicamentos, brinquedos e apostilas para 70 famílias já mapeadas pelo projeto, em Guarujá.

“Eu estou acompanhando esse período difícil. Por conta da quarentena, parte da população ficou impossibilitada de trabalhar e ganhar seu sustento, além de muita gente ter perdido o seu emprego. Faço questão de auxiliar essas famílias”, diz Caio Ibelli. O link da vaquinha virtual é o seguinte: benfeitoria.com/projetoondas2020.

Tudo sobre: