EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Novembro de 2019

Ignácio de Loyola Brandão diverte o público com suas histórias no ciclo Envelheça Leve

Promovido por A Tribuna, evento tem foco na maturidade e é voltado ao público da Terceira Idade. Escritor é o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL)

Irreverente, bem vivido e com muitas histórias para contar. Foi assim que o escritor Ignácio de Loyola Brandão conduziu, nesta quinta-feira (7), o ciclo de palestras Envelheça Leve, promovido por A Tribuna. Como ele mesmo disse, por nunca ter sido um palestrante, fez uma bela 'não palestra' para o público que lotou o auditório do Grupo Tribuna, em Santos.

Com 83 anos de idade, simples, bem de saúde e, como o próprio disse, ganhando uma aposentadoria ótima, mas ainda assim trabalhando bastante, Loyola divertiu o público com algumas de suas crônicas espalhadas em diversas folhas de papel guardadas na sua mala.

Desde histórias de elevador, nas inúmeras filas preferenciais em agências bancárias, ‘causos’ com a empregada e a família, e até mesmo em eventos literários dos quais participou em todos os cantos do Brasil.

Loyola Brandão contou muitas de suas crônicas durante o evento (Foto: Silvio Luiz/AT)

De conversa fácil e totalmente à vontade, mesmo não sendo um palestrante, Loyola arrancava gargalhadas em intervalos de poucos minutos. Falando de idosos, amigos da Terceira Idade ou dos adultos, dos jovens, das meninas. Não importava. Era como se fosse obrigatório soltar uma risada alta enquanto o escritor falava. Isso sem contar as poses para fotos durante o evento.

Loyola afirma que idade nenhuma atrapalha a vontade do ser humano. "Não existe idade para nada. Se alguém fala que existe é conversa fiada. Se a gente faz é porque nós queremos fazer. E se nós fizemos é porque nós queríamos fazer. É simples".

Se fosse falar de todas as suas produções, faltaria tempo, pois tinha um compromisso em São Paulo após o evento. Loyola comentou sobre uma de suas favoritas em particular, 'O beijo não vem da boca', de 1985. "Errei demais, fracassei mil vezes, mas um dia acertei. Errei umas dez mil vezes, mas quando eu acertei... Acertei bem", comentou.

Auditório do Grupo Tribuna ficou completamento lotado na tarde desta quinta-feira (7) (Foto: Silvio Luiz/AT)

Recentemente, no dia 19 de outubro, Ignácio de Loyola Brandão tornou-se o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras, ao tomar posse da cadeira de número 11. Loyola possui uma vasta produção literária. Entre seus grandes manuscritos, estão ‘Bebel que a Cidade Comeu’ (1968), ‘Zero’ (1975), ‘Dentes ao Sol’ (1976), ‘Não verás País Nenhum’ (1981), ‘O Beijo não vem da Boca’ (1985), ‘O Anjo do Adeus’ (1995) e ‘Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela’ (2018).

Ferrenho torcedor da Ferroviária de Araraquara, sua cidade natal, Loyola Brandão também é colunista de A Tribuna, sempre às sextas-feiras, quinzenalmente, no caderno Galeria, e totalmente contrário ao símbolo do idoso que pode ser visto em vagas de estacionamento de shoppings e supermercados.

Envelheça Leve é o mais novo ciclo de encontros criado por A Tribuna, com foco na maturidade e que prevê quatro datas. Além de Ignácio de Loyola Brandão, já vieram o médico geriatra Alberto Macedo Soares e a gerontóloga Denise Mazzaferro, e o encerramento da edição 2019 será em 10 de dezembro, no mesmo local e horário.

Gargalhadas da plateia e Brandão posando para uma fotografia (Foto: Silvio Luiz/AT)
Tudo sobre: