Vida sustentável em condomínios de Santos ajuda a economizar e garante equilíbrio ambiental

Descarte adequado de resíduos e reciclagem fazem parte de uma nova atitude

Por: Thiago D'Almeida  -  10/09/21  -  07:30
 A adaptação dos condomínios à nova realidade exige mudança de administradores e condôminos
A adaptação dos condomínios à nova realidade exige mudança de administradores e condôminos   Foto: Alexsander Ferraz/AT

Os condomínios são uma espécie de versão reduzida da sociedade. Para o bem-estar dos membros dessas moradias conjuntas — e, também, dos que são afetados fora deles pelas atividades que se desenvolvem nesses locais —, é preciso que sejam sustentáveis.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Santos, por exemplo, tem o programa Condomínio Sustentável. O objetivo é disseminar informações e orientações, por exemplo, sobre descarte adequado de resíduos e reciclagem.


O coordenador do projeto, Renato Prado, compara grandes condomínios a "minicidades". "Existe uma tendência à verticalização, com condomínios ainda maiores. (...) Então, quando falamos do impacto de um condomínio sustentável, sobretudo em momentos como este, de escassez hídrica, mudanças climáticas, entre outras situações, todas as ações são muito importantes."


Prado citou que novas construções já devem ser se basear em normas emitidas pelo Poder Público, com base em elementos técnicos. "São essas orientações que vão empurrar o construtor ou incorporador a tentar viabilizar uma obra mais sustentável."


Construções mais antigas, porém, precisam passar por adaptação. A professora Erika Megumy Tsukada, do curso de Geografia da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes), comenta que, entre esses ajustes, estão ações "buscando o menor consumo de água ou energia, com a implantação de painéis solares ou utilizando a água de reúso por um sistema hidráulico adequado, quando possível".


Prado acrescenta que, quanto ao uso de energia elétrica em quaisquer condomínios, há "obrigatoriedade de instalação de circuitos de iluminação com lâmpadas econômicas. Orientamos que sejam feitas adequações dessa natureza, como instalar um circuito de iluminação com lâmpadas de LED e um sistema de acionamento desse circuito por detectores de presença. Assim, não se deixam áreas iluminadas onde não há movimentação de pessoas."


O coordenador do projeto comentou que o processo de visita e averiguação dos prédios é feito a partir de uma lista de itens, que são repassados e, em caso de ausência de algum deles no condomínio, orienta-se a executá-los. Até mesmo no que parece simples, como a limpeza de ambientes — como não usar mangueiras com água corrente para lavagem e dar preferência à utilização de pano úmido para manter espaços higienizados e reduzir a frequência de lavagens.


O que é o Condomínio Sustentável?
1 -
O Condomínio Sustentável visita prédios acima de cinco andares. Nas vistorias, verifica-se, por exemplo, se a área destinada ao lixo está adequada para armazenamento dos resíduos e se há sinalização, e se o consumo de água e de energia está excessivo. As equipes ainda identificam as potencialidades e outros problemas do edifício.


2 - Após as visitas, a ONG gera um relatório com o diagnóstico do edifício e com orientações para adequação aos critérios de sustentabilidade. Os síndicos também recebem o Manual do Condomínio Sustentável e material educativo sobre o programa. Após três meses da primeira visita, a equipe retorna para avaliar as ações adotadas e sugerir correções.


3 - A iniciativa conta com verba do Fundo Municipal de Preservação e Recuperação do Meio Ambiente, vinculado à Semam. A equipe é composta por oito integrantes (coordenador, assessoras de coordenação e de comunicação, educador ambiental e quatro monitores).


4 - Condomínios que ainda não foram visitados e tenham interesse em aderir podem entrar em contato pelo telefone 3221-2034, pelo e-mail contato@condominiosustentavel.eco.br e pelo site do projeto.


Logo A Tribuna