EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

9 de Julho de 2020

Tribuna do Leitor - 29 de maio de 2020

Na edição desta sexta-feira (29), participações de Mina Sila Podgaeti, Reinaldo Ferreira Mota Junior, ONG dos Amigos de Santos e João Horácio Caramez

Amiga de sempre

Cleide Quintas morreu. Perdi uma ex-colega de ginásio, amiga e personalidade inesquecível. Sempre a admirei. Frequentava a casa de seus pais, dos quais me lembro muito bem, especialmente de sua mãe, onde conversávamos, fazíamos trabalhos escolares e onde comi meu primeiro sagu. Até hoje, faço essa iguaria e minha neta mais velha, Michelle, adora. Lembro do meu aniversário de 15 anos, quando eu e o Moysés, com quem casei e já comemorei Bodas de Ouro, fomos levá-la até perto de sua casa. A saudade aperta meu peito. Nós nos encontramos esporadicamente nestes anos e lamento não a ter procurado mais vezes. Mas a vida é assim. Lutando diariamente com nossos problemas, vamos deixando para fazer essas visitas mais adiante. Vá em paz, amiga querida e inesquecível! Que Deus tenha sua alma no paraíso, ao lado dos justos, e que faça parte da Corrente da Vida Eterna. 
Mina Sila Podgaeti - Santos

Divulgação do vídeo

A divulgação integral do vídeo entregue ao STF mostra que as partes que não interessavam à investigação em curso só acirram os ânimos e aumentam a crise política no país. A intenção do digno ministro do STF era exatamente gerar crise, o que depõe contra a nobre instituição que integra, e expor o Brasil da maneira como fez. Percebemos também que de tudo o que foi dito, o mais importante foi dar assunto para a imprensa falar e falar. E constatamos que os que criticam Bolsonaro, continuarão a fazê-lo, e os que o apoiam – como ficou evidenciado – continuarão a seu lado. Parabéns, ministro! Não vou usar uma das palavras que o presidente usou, mas que “boa coisa” o senhor fez...
Reinaldo Ferreira Mota Junior - Praia Grande

União no isolamento

Esta pandemia requer empenho de toda a comunidade no isolamento social e suspensão de qualquer atividade, até o final deste ano, como aulas em escolas e universidades, cultos religiosos, reuniões artísticas, culturais ou esportivas. Única forma de garantir que a população tenha mais saúde e menos mortes. Temos que apoiar as autoridades médicas e governamentais do Estado de São Paulo e das prefeituras municipais. Vamos unir forças para solicitar o bloqueio das rodovias, a limitação do número de pessoas no transporte público, nos supermercados e em demais locais que estejam funcionando. Consciência e união da comunidade será necessário para que, neste ano, não se pense em turismo, em passeios, em eventos. Será bom, também, pensar em suspender os desfiles de Carnaval em 2021, para garantir que não ocorra explosão dos casos da Covid-19. Mas é preciso garantir saúde e bem-estar a todos, com projetos sociais de apoio às famílias mais carentes.
ONG dos Amigos de Santos - Santos

Café proibido

Apesar de consumido em todo o planeta, o café já teve seus dias de bandido. Em 1511, ele foi abolido em Meca, a cidade sagrada dos muçulmanos, na Arábia Saudita, com a justificativa de que a bebida estimulava o pensamento radical. Na Europa do século XVI, os clérigos acreditavam que a bebida era um produto do demônio. E, assim, ficou proibida para os cristãos até o Papa Clemente VIII experimentá-la. Ele declarou que a bebida era deliciosa e a liberou para consumo. Na Constantinopla de 1623, o sultão do Império Otomano, Murad lV, criou um sistema de castigos para quem desobedecesse a ordem de não tomar café. Quem fosse pego tomando a bebida pela primeira vez, levava uma surra. Se quebrasse a regra de novo, era preso em um saco de couro e jogado nas águas do Mar Morto. Eu tomo café como se fosse água, dez por dia, no mínimo, e caso vivesse nessa época, não consigo imaginar o tamanho do meu castigo. Abençoado Papa Clemente VIII, que sabia de tudo e mais um pouco. Com licença, vou tomar mais um cafezinho!
João Horácio Caramez - Santos

Tudo sobre:
 
Este artigo é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha editorial e ideológica do Grupo Tribuna.
As empresas que formam o Grupo Tribuna não se responsabilizam e nem podem ser responsabilizadas pelos artigos publicados neste espaço.